Você, Predadora, Sempre...

Lilith - Deborah Illanes

Você,
Predadora,
Sempre me dá
Suas Mãos
E arranca
O meu coração.

Você,
Predadora,
Sempre me consola
Com Seus Beijos
E me chuta
Na beira do Abismo.

Você,
Predadora,
Sempre me encoraja
Através de Sua Poesia
E me rasga
Entre os aflitos.

Você,
Predadora,
Sempre me inspira
Com Sua Vulva
E me enforca
Entre os perdidos.

Você,
Predadora,
Sempre me instiga
Com Suas Presas
E me humilha
Entre os vermes.

Você,
Predadora,
Sempre me ilumina
Com Seu Veneno
E me xinga
De cria de puta.

Você,
Predadora,
Sempre me obscurece
Com Seu Semblante
E me abandona
No meio do gado.

Você,
Predadora,
Sempre me excita
Com Sua Alma
E me confunde
Com quem não tem uma.

Você,
Predadora,
Sempre me anima
Som Suas Gargalhadas
E me deprime
Mantendo minha solidão.

Você,
Predadora,
Sempre me suaviza
Com Seu Sorriso
E me esquece
Entre os chacais.

Você,
Predadora,
Sempre é
Amiga
E
Inimiga.

Você,
Predadora,
Sempre é
O Perto
E
O Longe.

Você,
Predadora,
Sempre é
O Todo
E
O Nada.

Você,
Predadora,
Sempre
Sibila
Mais
Alto.

Eu,
Predadora,
Sempre
Te Escuto
Entre Silêncios
E Lágrimas.

Inominável Ser
À
PREDADORA
LILITH




My Dying Bride - My Wine In Silence


Where are you now my love
My sweet one.
Where have you gone oh my love
I'm so alone.

I only think of you.
And it drives me down.
I only dream of you.

Come here
My love
I'll keep you
I will change you
Come here
My slave
You will when
I reveal
Screaming
Crying
My lover
With you
I'm gone
I'm blade

I'll come to you. Take my hand.
Hold me again. Please take my hand. 

Who are you ?!
What were you ?!
My beauty
I can't tell
How'm I feel
How I felt
You have paied
For your
un-kindn-ness
With You
I'm dying and left

Please hold me now my love.
Where are you now, oh my sweet love.






Vigiai, Vermes!

Whore Of Babylon - Bastien Lecouffe Deharme

Abri Vossos Olhos
Sobre As Cores
De Minhas Vestes,
Estou Me Aproximando
Para Arrancar
Os Bebês
Dos Ventres Das Mulheres
E Manchar As Ruas
Com O Sangue Dos Corações
Dos Homens!

Vigiai,
Vermes,
Eu Sou Babalon,
A Grande Prostituta
Com Sede
De Sangue!

Eu Me Aproximo
Com A Minha Taça
Sendo Derramada
Sobre As Frontes
Dos Fracos
E Dos Fortes,
Venho Para
Enlouquecer,
Venho Para
Corromper,
Venho Para
Destruir,
Venho Para
Desintegrar!

Vigiai,
Vernes,
Eu Sou Babalon
E Quero Morte
E Quero Sangue,
Toda Morte
Possível,
Todo Sangue
Correndo!

Venho Me Aproximando
Com Minha Nudez
A Cegar Anjos
E Demonios,
A Atrair Espectros
E Renegados,
A Rasgar Os Véus
Dos Templos
Das Mentiras
E Das Verdades!

Vigiai,
Vermes,
Vigiai Porque
Eu Que Sou
Babalon
Chego Trazendo
A Guerra
Das Estrelas Mortas,
A Extinção
Dos Mundos Esquecidos,
A Desgraça
Revelada,
A Miséria
Erguida,
A Maldição
Encarnada!

Me Aproximo
Como A Assassina
E A Assassinada,
A Fechadura
E A Porta,
O Abismo
E A Queda,
Sou A Fruta
Que Não Pode
Ser Saboreada,
Sou O Líquido
Que Não Pode
Ser Bebido,
Sou O Fogo
Que Não Pode
Ser Apagado,
Sou A Sombra
Que Não Pode
Desaparecer!

VIGIAI,
VERMES!!!

VIGIAI,
VERMES!!!

VIGIAI,
VERMES!!!

VIGIAI,
VERMES!!!

VIGIAI,
VERMES!!!

VIGIAI,
VERMES!!!

VIGIAI,
VERMES!!!

VIGIAI,
VERMES!!!

VIGIAI,
VERMES!!!

VIGIAI,
VERMES!!!

VIGIAI,
VERMES!!!

VIGIAI,
ESTOU
PRÓXIMA,
ESTOU BEM
PRÓXIMA,
DERRAMANDO
DA MINHA TAÇA
COM O SANGUE
DOS DEUSES MORTOS
POR TUA RAÇA,
COM O SANGUE
DOS DEUSES MORTOS
DE OUTROS MUNDOS,
COM O SANGUE
DE VOSSOS
ANTEPASSADOS
QUE NÃO VIGIARAM,
COM O SANGUE
DE TODOS AQUELES
CUJOS MUNDOS
FORAM DESTRUÍDOS,
MINHA TAÇA
QUER MAIS,
EU QUERO
MAIS,
EU SEMPRE
VOU
QUERER MAIS!!!

VIGIAI!!!

VIGIAI!!!

VIGIAI!!!

Inominável Ser
BABALON
REVELADA




Messa - She Knows/Tulsi



She knows
How to crack up your ego
How profound
Can be the tremble

She knows
The perfume, the depth of your heart
Your laments and all your odes

She knows
She knows
All inside of you
She knows
She knows
And she knows where
Aim descents
Death and its scent

She knows
Where’s the border for the things you fear
When’s the end
Of the things you love dear

She knows
The great joy of dissemble
How the wind streams
And how it’s forgot

She knows
She knows
All inside of you
She knows
She knows
And she knows where
Aim descents
Death and its scent

Growing on my conscious hands
Adorning child, regarding sun
Balance all the trouble deep
Heal my throat cut now

Restore all the strong impulse
Misty runner thru the pines
Ashes submerged, coming, alive
Heal my throat cut now

All your leaves
Through my fingers
All your leaves
Somehow they linger
Melting my chains







A Janela Está Quebrada

Photo by Elijah M. Henderson

Uma Sereia das gélidas terras
ao norte asiático agora canta.
A geladeira ligada por horas
ininterruptas faz seu som.
Lá fora impera um silêncio
que eu advogo como amigo.
Aqui um frio intenso neste meu
coração cheio de dores.
Frio é o tempo agora e eu olho
para a minha janela…

A janela está quebrada.

Invisíveis jazigos se abrem
me empurrando para dentro.
Absolutas lágrimas agora embaçam
minha já miope visão.
Escrevo com este meu coração
batendo em ritmo de neoclassical.
Canta agora Ksenia Fandeeva que é
a Sereia russa deste momento.
Estou mais miserável do que nunca
abraçado pelo frio nesta madrugada.
Algumas invisíveis companhias aqui
aumentam o frio me abraçando.
Eu olho para a frente e fito
a minha janela…

A janela está quebrada.

O teto é gasto com cascos de velha
tinta a cair toda por aqui.
A casa é velha e para mim significa
um abrigo longe da bagunça lá fora.
As lágrimas voltam aos meus olhos
nesta hora de silenciosa casa.
Não é a Casa de Usher destruindo-se
e nem uma casa em luto.
É apenas um recanto suspenso entre
tantos recantos presos ao mesmo.
Um abrigo como eu disse muito amado
onde vivo só com minha genitora.
Uma Casa de Inominável sombria
para quem não deve ver as rachaduras.
Uma Casa de Inominável luminosa
para quem consegue ver as junções.
E teimo em olhar para a janela
bem à minha frente…

A janela está quebrada.

Uma porta também está quebrada e
me faz lembrar de mim mesmo quebrado.
Duas portas que não podem ser abertas
lembram alguns caminhos meus fechados.
Um telhado quebrado deixando terraço
aberto me lembra de meus fracassos.
Janelas sem vidro deixando entrar mais
frio me dão reflexões sobre obstáculos.
Aqui tudo tem um simbolismo de anjos
e de monstros sendo vivos enterrados.
Aqui tudo tem um motivo meditativo
chamando espíritos adiantados e atrasados.
Aqui tudo tem um cadinho de sombras
de um passado de lar sempre cheio.
Enganos e traições e decepções e doenças
e abandonos sujam as paredes daqui.
E eu olho para a janela que me olha
bem à minha frente…

A janela está quebrada.

Eu olho porque penso que a Deusa Esperança entrará.
Eu olho porque desejo que a Deusa Felicidade entre.
Eu olho porque acho que a Deusa Prosperidade entra.
E na verdade só entra o frio desta outonal
madrugada sagrada bela.
A Sereia Ksenia já não emite seu hipnótico cântico.
A geladeira ainda continua com o motor
a trabalhar.
Estou sentado sobre mármore frio com a alma a congelar.
Escrevendo sobre a minha miséria de dento a
enxergar versos pelas paredes.
E olhando para a frente com um cansado
olhar de bardo a fitar a janela…

A janela está quebrada.

E eu estou em miseráveis migalhas.

Deusa Miséria, eu sou Tua inacabada obra.

Inominável Ser
UM QUEBRADO
SER DEBRUÇADO
SOBRE ESTES
VERSOS