sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Lágrimas E Sangue Do Monstro Homem Em Desgraça


Chora e derrama sangue

O Monstro Homem

Este que forma

Qualquer Tropa De Elite

Que com a porra de uma

Farda nojenta fodida e fedida

Mata aos milhares inocentes

Que nem bandidos são

E bandidos que podiam ser salvos

De uma morte estúpida

Se houvesse alguém

Em algum

Em qualquer

Em um sequer

Governo do mundo

São


Chora e derrama sangue

O Monstro Homem

Este que é o mesmo

Em Brasília

Em Paris

Em Washington

Em Tóquio

Em Londres

Em toda capital

De todo país

De um mundo que era Dourado

Quando ainda aqui Caminhava

A Deusa Graça

Toda capital cujos Governos

São apenas capatazes prostituidos

Da Deusa Desgraça

Implementando as mentiras

Enganadoras de todos os povos

Como se Graças Maiores

Fossem possíveis

Em Desgraças Maiores

Diariamente

Tocáveis


Chora e derrama sangue

O Monstro Homem

Este mesmo que é

O porco imundo da elite

Que bate em prostitutas

E em empregadas domésticas

Que vira um neonazista escroto

De merda

Que invade escolas atirando

E matando os seus professores

E os seus colegas

Que humilha quem apenas

Humildemente caminha pelas ruas

Quieto e triste

Por saber que este

Planeta Terra

É um mundo no qual basta ter

O cu bastante atolado de dinheiro

Para ser visto como alguém

Que pode até fazer chover

Nos desertos mais distantes

Das regiões terrestres mais

Relevantes


Chora e derrama sangue

O Monstro Homem

Este mesmo que é

Advogado

Presidiário

Padre

Pastor

Médico

Assassino

Estuprador

Domador

Nadador

Velocista

Lutador

Camareiro

Faxineiro

Lixeiro

Roupeiro

Administrador

Desenhista

Roteirista

Atriz

Ator

Prostituta

Michê

Homem

Mulher

Gay

Bissexual

Arquiteto

Artesão

Dentista

Motorista

Cobrador

Homófobo

Racista

Toda a gentinha humana

Toda a escrota gentinha humana

Toda a rota gentinha humana

Gentinha tola fodida

Gentinha toda fodida

Gentinha solenemente fodida

Que alimenta o Monstro que é

E ainda tem a coragem

De acariciá-Lo

E mantê-lo em si

Dizendo que o mesmo

Não faz parte de si


Chora

O Monstro Homem

Esquecem que Ele

Existe


Derrama sangue

O Monstro Homem

Esquecem que Ele está

No humano sangue


Derrama lágrimas

Derrama sangue

O Monstro Homem

Continua a regozijar-se

Continua a fortalecer-se

Continua a ser Mãe

Da atual Humanidade

A Deusa Desgraça

Que amamenta

O Monstro

Residente aqui

Em minha inominável alma

Residente aí

Em vossa nomeável alma


Inominável Ser

MONSTRO HOMEM




Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: