terça-feira, 8 de janeiro de 2008

O Sangue Do Império Da Deusa Morte


Calamitosa jornada,

Sangue jorrando pelos desesperados

Caminhos amuados que no amiúde

De simples crânios esfacelados

Nas calçadas sujas de ruas leprosas

Dançam como espetaculares foguetes

Rodopiando no Império

Da Deusa Morte!


Calamidade é nome de sangue caindo,

Calamidade é nome de sangue a cair,

Brutalidade ensandencida

Da Rocinha ao Quênia,

Do Alemão ao Iraque,

Da Vila Madalena ao Paquistão,

Violência violência violência

É toda Filha Maior

Do Sangue A Jorrar Do Império

Da Deusa Morte!


Calamidade bem próxima de ti,

Leitor virtual,

Cuidado com o seu crânio,

Cuidado com o seu corpinho

Tão frágil,

Tão humildezinho,

Diante Do Sangue A Jorrar

Do Império

Da Deusa Morte!


Calamidade bem próxima de ti,

Leitora virtual,

Cuidado com o seu crânio,

Cuidado com o seu corpinho

Que pode ser magrinho,

Que pode ser gordinho,

Que pode ser belo,

Que pode ser horrível,

Diante Do Sangue A Jorrar

Do Império

Da Deusa Morte!


Calamidade bem próxima,

Humanidade Fodida,

Humanidade Fodedora,

Humanidade Que Se Fode,

Seres humanos são todos

Fodidos calamitosos,

O crânio é tão fácil

De ser esmagado,

Bala faca machado fuzil

Soco chute qualquer coisa

Que possa machucar,

Que possa aleijar,

Que possa destroçar,

Que possa esmagar,

Para Fazer Jorrar

O Sangue Do Império

Da Deusa Morte!


Calamitoso poetizar jorrando

Inominável Sangue,

Eu me fodo,

Eu estou me fodendo,

Eu estou fodido,

Todos longe de mim,

Meu sangue vai caindo,

Eu quero abrir um crânio,

Eu quero machucar

Alguém,

Eu quero aleijar

Alguém,

Eu quero destroçar

Alguém,

Eu quero esmagar

Alguém,

Eu Quero Fazer Jorrar

Mais E Mais E Mais E Mais

O Sangue Do Império

Da Deusa Morte!


Calamidade,

O Monstro Homem,

O Verme Homem,

O Dragão Homem,

O Anticristo Homem,

A Serpente Homem,

Caralho caralho caralho,

Está se apossando de mim,

Estou selvagem,

Estou muito odiando,

A Foice se contorce,

Eu em contorço,

Eu estou sem controle,

Não quero me controlar,

Alguém está vindo,

Não quero olhar,

Quero olhar,

Quero abrir-lhe

O crânio,

Quero

Machucá-lo,

Quero

Aleijá-lo,

Quero

Destroçá-lo,

Quero

Esmagá-lo,

PARA PODER FAZER

JORRAR

MUITO E MUITO E MUITO

E MUITO E MUITO E MUITO

E MUITO E MUITO E MUITO

O SANGUE DO IMPÉRIO

DA DEUSA MORTE!!!


Calamidade Inominável,

Eu também me descubro

Sanguinário...


Calamidade Inominável,

É O Sangue Do Império

Da Deusa Morte

Fazendo O Meu Calvário

Em Minha Ensangüentada

Cova...


Inominável Ser

ENSANGÜENTADO

SANGUINÁRIO

NO SANGUE

DO IMPÉRIO

DA DEUSA MORTE




Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: