quinta-feira, 15 de maio de 2008

A Maldição De Amar Uma Súcubo Que Me Devora...


Tu me deixas assim,

Súcubo,

Qual demente picado

Por serpente desdenhosa

Que se arrasta pelo leito

Que me acolhe

Os mornos ossos!


Tu me deixas assim,

Súcubo,

Esvoaçante magnificamente

Por sobre o meu leito,

Sugando minhas mentiras,

Sugando minhas verdades!


Tu deitas comigo,

Súcubo,

O triste vinho bebo,

O alegre vigor meu

Tu bebes,

Tu me tens como escravo

Desesperado agreste!


Tu deitas comigo,

Súcubo,

Invade as valas d'alma

Que me move neste Plano

De lamas várias,

Batendo aos meus fracos pés

As vossas fortes asas!


A lua cheia,

Súcubo,

Te enche de luas novas,

Tu uivas,

Eu uivo,

A semente quebra,

A lendária força molda!


A lua cheia,

Súcubo,

Te possui em luas novas,

Tu balanças,

Eu balanço,

O Véu De Dejanira aberto,

As Asas De Pégaso incineradas!


Tombo,

Súcubo,

Suas asas meticulosas

Arrombam as conscientes portas

Da minha vitalidade,

Sou vidro,

Sou papel!


Tombo,

Súcubo,

Viajo no trem que bate,

Sufoco-me no bastião

Do fim das minhas muitas

Perdidas não-idades,

Não tenho mais espadas,

Não tenho mais escudos!


Entrego-me,

Súcubo,

Tuas pernas pesadas

Sobre o meu peito de papelão

Me afundam no leito

Fora do solar e diurno

Bastião!


A Grande Noite,

Súcubo,

Te traz como insinuante

Corajosa sedutora infinita,

A Dama Noturna que toca

Em minha carne,

A Dama do meu leito!


A Grande Noite,

Súcubo,

Te faz gargalhar acima de mim,

Teus pés me massacram,

Tuas mãos apertam-me

O pênis,

Tua boca me sacia...


Amanhece,

Súcubo,

Tu vais embora

Para as Terras Dos Vultos,

Minha solidão,

Então,

Me amaldiçoa com a luz solar!


Amanhece,

Súcubo,

E eu te quero ainda saciando-me,

Sou fantasma no ar diurno,

Sou Filho Do Ar Noturno,

Me seduzas todo mudo,

Meu corpo contigo fala!


Em meu leito,

Súcubo...


Em meu leito,

Súcubo...


Em meu leito,

Súcubo...


Como no leito

Do Marquês de Sade

Tu ficastes,

Súcubo...


Como no leito

De Sacher-Masoch

Tu ficastes,

Súcubo...


Como no leito

De Byron

Tu ficastes,

Súcubo...


Como no leito

De Baudelaire

Tu ficastes,

Súcubo...


Como no leito

De Verlaine

Tu ficastes,

Súcubo...


Como no leito

De Poe

Tu ficastes,

Súcubo...


Como no leito

De Cruz e Sousa

Tu ficastes,

Súcubo...


Como no leito

De Álvares de Azevedo

Tu ficastes,

Súcubo...


Maldição,

Súcubo,

Mãe Das Vadias,

Mãe Das Vagabundas,

Mãe Das Prostitutas,

Filha De Lilith,

Por que te amo assim?


Maldição,

Súcubo,

Te amo,

Vadia,

Vagabunda,

Prostituta,

Filha De Lilith...


Te amo,

Súcubo...


Te amo,

Súcubo...


Te amo,

Súcubo...


succubus umhus ouhus

succubus uyrus ufeus

succubus feaurus ushuesus

succubus hunus ius

succubus vulunus ituyus

succubus nuus ferusus

succubus amurerus deususudus

succubus

succubus

succubus

ameylus

ameygus

amethygus


Inominável Ser

AMANDO A SUA

SÚCUBO




Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: