terça-feira, 17 de junho de 2008

Tambores


Os sons de um novo amanhã,
Quem ouve?
Os sons de uma nação justa,
Quem ouve?
Os sons de uma vida feliz,
Quem ouve?
Apenas rajadas de metralhadoras
Do morro ao asfalto,
Balas de fuzil por aí a toa,
Mentiras de políticos vomitadas
Todo dia na telinha que nos aliena,
Falsidades e preconceitos
Revelados na Hora Do Brasil,
Uma poça de imensa lama
Numa imensa cama
Onde nos deitamos
Cegos, estúpidos e iludidos!
Os tambores continuam...
As dores são as mesmas...
De Zumbi a Édson Luis,
De Daniela Perez a João Hélio,
Do Carandiru a Vigário Geral,
De Carajás à Baixada Fluminense,
Da Maria do morro ao Zé da favela,
De Pedro do gueto à Ana da periferia,
No partir de cada coração,
Lutas vi,
Ouvi lamentos,
Ouvi dor,
Ouvi rancor,
Ouvi choro,
Ouvi ais ais ais ais ais ais ais ais ais ais ais ais ais ais,
Ouvi,
Ouvi,
Ouvi,
Ouvi,
Ouvi,
Ouvi,
Ouvi,
Ouvi,
Ouvi,
Ouvi,
Ouvi,
Ouvi,
Ouvi,
Ouvi...
Ainda ouço os tambores,
Ainda sei da falsa esperança,
Muitos Zumbis ainda cairão,
Muitos Édsons Luíses ainda cairão,
Muitas Danielas Perez ainda cairão,
Muitos Joões Hélios ainda cairão,
Muitos Carandirus ainda cairão,
Muitos Vigários Gerais ainda cairão,
Muitos Carajás ainda cairão,
Muitas Baixadas Fluminenses ainda cairão,
Muitas Marias dos morros ainda cairão,
Muitos Zés das favelas ainda cairão,
Muitos Pedros dos guetos ainda cairão,
Muitas Anas das periferias ainda cairão,
Por um país que nunca ouvi,
Por um país de ais ais ais ais ais ais ais ais ais ais ais ais ais ais ais
Que sempre ouço,
Que sempre ouço,
Que sempre ouço,
Que sempre ouço,
Que sempre ouço,
Que sempre ouço,
Que sempre ouço,
Que sempre ouço,
Que sempre ouço,
Que sempre ouço,
Que sempre ouço,
Que sempre ouço,
Que sempre ouço,
Que sempre ouço...
Brasil,
Pátria amada adormecida
Em um berço eterno de corrupção
Há quinhentos e sete anos,
Onde um Senador rouba
E vai para a Suiça,
Enquanto um ladrão de galinhas,
Roubando para dar de comida aos filhos,
Vai preso,
Apanha da escrota porra fodida e miseravelmente desgraçada
Da Polícia,
E morre infinitas vezes por dia
De vergonha,
De humilhação,
De abandono,
De tristeza,
De agonia!
Brasil,
Pátria amada amortecida
Em um covil de mordomias
Há quinhentos e oito anos,
Onde riquinhos que espancam domésticas
E trabalhadores honestos pelas ruas
São soltos através do poder
Da antiga nobreza do dinheiro,
Enquanto meninas e mulheres
São aprisionadas nas mesmas celas sozinhas
Com quinze a trinta homens,
Sendo estupradas,
Sendo humilhadas,
Sendo tratadas pela Lei e pela Justiça,
A Lei Dos Policiais E Das Policiais De Merda,
A Justiça Dos Juízes E Das Juízas De Merda,
Como lixo escorrendo de privadas,
Como sacos sujos de batatas,
Como garrafas de refrigerantes estragadas!
Brasil,
Gigante apequenado
Em berço escroto,
No qual os merdinhas fodidos
E fodidamente fardados
De oficiais e
De soldadinhos do Exército
Seqüestram e matam
Jovens trabalhadores favelados,
No qual gangues de boçais
Imbecis e retardados
Pisam na cabeça de um rapaz
Humilde bom filho
E sossegado,
No qual crianças são lançadas
De janelas de apartamentos
Como sacos de lixo
Por imundos desgraçados
E são violentadas por pedófilos
E por pedófilas
Nascidos do lixo mais do que
Imundamente desgraçado,
No qual jornalistas que matam
E juízes que matam
E promotores que matam
E doutores que matam
Saem das prisões sem cumprirem
Metade de suas penas
Com arrombados sorrisos
No caralho do rosto
Todo do caralho!
Alegres aplausos para a nossa nação,
Benquista seja a nossa nação,
Nesta imensa falta de audição...
Alegres aplausos...
Alegres aplausos...
Alegres aplausos...
Alegres aplausos...
Alegres aplausos...
Alegres aplausos...
Alegres aplausos...
Alegres aplausos...
Alegres aplausos...
O grau de investimento
Ganhamos,
Zero graus de adiantamento
Como país humano
Cotidianamente perdemos...
Mais uma vez
Ouço os tambores,
Mais uma vez
Exalto minhas dores,
Mais uma vez
Ouço infelizes exaltadas
Dores brasileiras,
E toda vez estou mais surdo
Em um país assassinado
Pelas aves de rapina lá do alto
E pelas mãos dos nobres homens
Que de quatro em quatro anos
Elegem-se como presidentes!
RESSUSCITA BRASIL!!!
RESSUSCITA BRASIL!!!
RESSUSCITA BRASIL!!!
RESSUSCITA BRASIL!!!
RESSUSCITA BRASIL!!!
RESSUSCITA BRASIL!!!
RESSUSCITA BRASIL!!!
RESSUSCITA BRASIL!!!
RESSUSCITA BRASIL!!!
Inominável Ser
OUVINDO
TAMBORES




Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: