quarta-feira, 30 de julho de 2008

Morrer, Tatyana, Morrer Morrer Morrer...


Morte,

Tatyana,

Toda minha,

Sua morte,

Minha morte.


A Morte,

Tatyana,

Toda nossa morte,

Toda sua morte,

Toda minha morte.


A Deusa Morte,

Tatyana,

Nossa Deusa Morte,

Sua Deusa Morte,

Minha Deusa Morte.


Morrer,

Tatyana,

Ao dia que antecede

O calor retumbante

Da Foice Dela!


Morrer,

Tatyana,

Na noite que ressoa

No espectro insinuante

Da Foice Dela!


Morrer,

Tatyana,

No intenso Monte Heredom

Fora do Tempo/Espaço

Na Foice Dela!


Morrer,

Tatyana,

A gola de minha rubra camisa

Manchada de sangue,

Levei um tiro na cara...


Morrer,

Tatyana,

A gola de minha rubra camisa

Manchada com muito sangue,

Levei uma facada na cara...


Morrer,

Tatyana,

A gola de minha rubra camisa

Manchada com todo meu sangue,

Levei uma machadada na cara...


Morrer,

Tatyana,

Como eu morri

Muitas vezes

Assim?


Morrer,

Tatyana,

Como tu morrestes

Muitas vezes

Assim?


Morrer,

Tatyana,

Como nós morremos juntos

Todas as vezes

Assim?


Eu me lembro,

Tatyana,

A Deusa Morte

Nos abraçou

Muito assim.


Eu me lembro,

Tatyana,

A Deusa Morte

Nos uniu

Muito assim.


Eu me lembro,

Tatyana,

A Deusa Morte

Nos separa agora

Assim.


Inominável Ser

SEPARADO ASSIM

AGORA

DE TATYANA

PELA DEUSA MORTE






quinta-feira, 24 de julho de 2008

O Atacante De Presas Amantes De Peles Bem Sedosas


Fúria dosando as manchas

De muito sangue sugado

Por entre as alamedas

Das ruas povoadas

De fracos e fortes!


As garras Dele:

A Fúria

Da Pura Força

De Milênios Ocultos!


As garras Dele:

A Fúria

Da Pura Força

Dos Mundos Sangrentos!


As garras Dele:

A Fúria

Da Pura Força

Dos Ventos Destruidores!


As garras Dele:

A Fúria

Da Pura Força

Das Marés Avassaladoras!


Furioso,

Ele é

O Furioso,

O Atacante,

Massa insana

De predador inato,

Massa sã

De predador sábio,

Fã de peles sedosas,

Como a vossa que aí estás

Bem sentado,

Bem esquentadinho,

Em teu quarto,

Em teu escritório!


O Atacante,

A Fúria Do Atacante,

Tu não estás livre Dela,

Ele pode tornar

Fria em imensa infinitude

A vossa pele sedosa,

Assim fazendo com que

A tua família

Por ti chore,

Tu ficarás então

Deitadinho em tua cova,

Bem deitado,

Bem gélido,

Na tua cova,

Na tua cova!


O Atacante,

Impiedoso,

Pode te caçar,

Caçar tua mãe

E fria torná-la

Também,

Caçar teu pai

E frio torná-lo

Também,

Caçar teus irmãos

E frios torná-los

Também,

Caçar enfim toda

A tua miserável humana

Família carnal,

Matar um por um,

Te matar

Antes deles

Ou te matar

Depois deles!


O Atacante,

As garras Dele

Em tua pele sedosa,

As garras,

As garras rasgando

Toda vossa pele,

O sangue

Vai escorrendo,

Você vai ficando frio,

Vai deixando

Tua escrota existência,

Deixando,

Deixando,

Deixando...


O Atacante,

As garras Dele

Em tua pele sedosa,

Imagine-as nas peles sedosas

Dos que te são caros,

Rasgando-lhes todas

As peles,

O sangue deles

Escorrendo,

Eles ficando frios,

Eles deizando

A escrota existência

Deles,

Deixando,

Deixando,

Deixando...


Imagino vosso medo

Agora,

Agora nesta Cova...


Imagino vosso medo

Agora,

Pulsante medo...


Imagino vosso medo

Agora,

Pululante medo...


Imagino vosso medo

Agora,

Pujante medo...


Imagino vosso medo

Agora,

Seu merda,

Seu bosta,

Seu cuzão,

Sua merda,

Sua bosta,

Sua cuzona,

Seu cachorro,

Sua cadela,

Seu escroto,

Sua escrota,

Babacas fodidos

Em todas as suas

Fodidas humanas

Existências!


Medo,

Medo,

Sim,

Há medo aí...


Medo,

Medo,

Sim,

Medo aí,

Humanos temem,

Humanos são

Mui covardes...


Medo,

Medo,

Oh,

Doce alimento

Deste Coveiro!


OLHE

AS GARRAS!!!


SINTA

AS GARRAS!!!


TUA PELE

CORTADA!!!


A PELE DE TEU

OMBRO ESQUERDO

CORTADA!!!


A PELE DE TEU

OMBRO DIREITO

CORTADA!!!


O ATACANTE

ESTÁ ATRÁS

DE TI!!!


O ATACANTE

ESTÁ ATRÁS

DE TI!!!


O ATACANTE

ESTÁ ATRÁS

DE TI!!!


Te desejo

Um terrível desencarne,

Que ele te faça

Muito sofrer

Enquanto tua pele sedosa

Vai sendo pelas

Garras Dele

Cortada

Com bruta serenidade.


Inominável Ser

DE PELE ÁSPERA




Ela Que Vem Como Grande Predadora Sonhadora


Desgraçados que nesta madrugada

Rondam os palcos dos shows sangrentos

Dos antigos e bons dias nos quais

A garantia de viver bem

Era viver do sangue a escorrer

Por todas as peles do mundo,

Ela que vem como grande predadora

Senhora

Quer um pouco da fruta estragada

Que as fezes de cães leprosos

Como vós todos sois

Faz cair nos vasos sanitários.


Desgraçados noturnos,

Filhos da puta desgraçados

Da noite,

Vermes desgraçados que se rasgam

E rastejam todos

Pelos bares e bórdeis,

Procurando putas,

Procurando michês,

Ela que vem como grande predadora

Senhora

Deseja um encontro convosco

Que seja derradeiro entre o molde de ossos

De um cemitério sagrado

Denominado O Cemitério Dos Desgraçados

Que São As Fezes Das Noites

De Caça Existencial.


Desgraçados encarnados,

Desgraçados desencarnados,

Turba de desgarrados

Das saias de vossas sujas

Mães humanas,

Tribo de dementes

Que residem em hospícios

E lixeiras denominadas

Moradias humanas,

Ela que vem como grande predadora

Sonhadora

Quer a todos vós no

Grande Sonho Noturno

Envoltos nas Brumas Do Sangue,

As Brumas Dos Não-Nascidos,

As Brumas Dos Filhos Do

Noturno Suicídio.


Desgraçados ricos,

Desgraçados pobres,

Desgraçados negros,

Desgraçados brancos,

Desgraçados amarelos,

Desgraçados vermelhos,

Vós sois o lixo das terras

Da Humanidade

E a Humanidade é

O Grande Lixo,

Mas

Ela que vem como grande predadora

Sonhadora,

Ela,

Não-Nascida,

Gosta de remexer no lixo,

É uma sedenta lixeira,

Cujos ganhos são de consumir-vos

Nos sonhos e nos pesadelos de lixo

Vossos...


Desgraçados,

Ela vai como grande predadora

Sonhadora

Aos vossos desgraçados leitos

Que são iufinitos lixos...


Desgraçados,

Ela vai como grande predadora

Sonhadora

Ao alcance de vossas energias

De deliciosas perdições...


Desgraçados,

Ela vai como grande predadora

Sonhadora

Sorrir acima de vós todos

Por todas as noites

Neste Humano Esgoto,

Por todas as noites

Nesta Humana Lixeira...


Ao Longe,

Elas,

Eles,

Os Não-Nascidos,

Em Redor De Amalya,

Despertam No Grande Sonho

E Abraçam A Grande Realidade

De Uma Existência

Que Realiza Os Sonhos

Dos Viciados,

Dos Perturbados,

Dos Doentes Todos

Desgraçados

Da Humanidade.


Ela que vem como grande predadora

Sonhadora

É uma Realizadora.


Inominável Ser

RECEBENDO REALIZADO

ELA QUE VEM COMO

GRANDE PREDADORA

SONHADORA






terça-feira, 22 de julho de 2008

Paradise Lost - Dead Emotion


Struggle with emotion
Feel the pain burn deep
Within our nerves
The mourning of lost life
Commands our actions night and day

The foul realism is unleashed
Upon the earth we'll bleed

Banish all fond memories
As the lord beckons us to judgement
Degeneration is close at hand
The mortality coil is weaker
The pain is close to heart
Now leave the ruined world to your god

The kindness of deaths grasp
Relieves us from the pain




Lute com emoção
Sinta a dor queimar profundamente
Dentro de nossos nervos
A manhã de uma vida perdida
Comande nossas ações noite e dia

O realismo sujo está solto
Na terra nós iremos sangrar

Todas as recordações aficcionadas
Como o senhor nos acena a julgamento
Degeneração está próxima ás mãos
O rolo de mortalidades é mais fraco
A dor está perto do coração
Agora deixa o mundo arruinado ao seu Deus

A bondade de mortes apreendidas
Nos alivia da dor





sábado, 12 de julho de 2008

O Nascimento De Babalon - Jack Parsons (Frater Belarion 210)


Que é o tumulto entre as estrelas
de que tão estático até então era o fulgir?
Que são as rugas de dor e ira
sobre a fronte imortal a se exibir?


Por que é a face de Deus tornada gris
e seus anjos todos crescem em alvor?
Que é o terrível rubi estrela
que arde sob a noite de rubor?


Que é a beleza que flameja tão brilhante
através da aurora atroz?
Ela tomou carne, Ela é vinda pra julgar
os tronos sobre os quais governais vós.


Tremei reis, pois um fim é chegado
no nascimento de BABALON.


Eu caminhei por três noites terríveis
em átrios além do desesperar,
Eu dei essência, lágrimas e suor
e sangue para bela A deixar.


Eu deitei meu amor e esmaguei meu coração
e de sangue levei-lhe a taça à totalidade,
Para que sangue fluísse dos quadris da dor
para a taça da irmandade.


As cidades dançam ao barulho do aço
onde há da espada bélica o empunhamento.
Cantai santos, pois o dia é chegado
no que de BABALON é o nascimento.


Agora Deus pediu Seu livro do juízo
e viu Seu Nome nele gravado
E a graça de Deus e a culpa de Deus
soletraram-No como pecado.


Seus padres sanguinários agarraram-lhe os robes
e mancharam-lhe as líneas vestiduras
E suas vítimas enxamearam de seu inferno rompido
para arrastar seu reino às funduras.


Ó os papas, os reis e os pequenos deuses
estão doentes, tristes, e sem cor
De ver a estrela carmesim que mana
como sangue sobre o albor.


Enquanto as trombetas tocam e as estrelas se regozijam
no nascimento de BABALON.


BABALON é demasiado bela
para a visão dos olhos mortais
Ela ocultou Sua amabilidade
à meia noite em abóbadas celestiais.


Ela vestiu Sua beleza em mantos de pecado
e Seu coração ao porco jurou
E amando e dando tudo Ela para os santos
vinho imortal fermentou.


Mas agora a escuridão foi despedaçada
e se foi o que do pecado é manto,
E nua Ela se põe como uma terrível lâmina,
uma flama e um esplêndido canto.


Nua em radiante carne mortal
no Nascimento de BABALON.


Ela é renascida como uma donzela mortal
esquecendo seu estado elevado,
Ela abriu Seus braços à dor e à morte
e ousou a perdição do fado,


E a morte e o inferno estão as suas costas,
mas com a vida brilha seu olhar,
Seu coração é elevado e sua espada é forte
para a mortífera disputa encontrar,


Sua voz é certa como a trombeta do juízo
para a casa da iniqüidade romper,
Embora os muros sejam altos e a pedra dura
e a norma do inferno pôde duradoura ser.


Os portões cairão e os ferros se quebrarão
no Nascimento de BABALON.


Sua boca é rúbida e seus seios pulcros
e Seu quadril cheio de fogo se revela,
E Seu tesão é viril como um homem é viril
no calor do desejo dela,


E Sua prostituição é sagrada como a virtude vil
debaixo do céu sagrado está
E Seus beijos corromperão ao mundo
em paixão que de morrer não há.


Vós rireis, amareis, e seguireis sua dança
quando da ira de Deus houver o fenecimento,
E não mais sonhareis com inferno e ódio
no que de BABALON é o Nascimento.






O Livro Do Anticristo - Jack Parsons (Frater Belarion 210)



A Peregrinação Negra


Eis que aconteceu exatamente como BABALON me disse, pois após receber Seu Livro eu desertei da Magia, e pus de lado Seu Livro e tudo relacionado a ele. E fui despojado de minha fortuna (o total de aproximadamente 50,000 dólares) e de minha casa, e de tudo que possuía.


Então por um período de dois anos eu trabalhei pelo mundo, recuperando minha fortuna em alguma coisa. Mas essa também me foi tomada, e minha reputação, e meu renome no trabalho mundial, que era em ciência.


E em 31 de Outubro de 1948, BABALON veio ter comigo novamente, e eu iniciei o último trabalho, que era o trabalho da baqueta. E trabalhei durante 17 dias, até que BABALON me chamou num sonho, e me instruiu num trabalho astral. Então reconstruí o templo, e iniciei a Peregrinação Negra, conforme Ela instruiu.


Eu adentrei o pôr-do-sol com Seu sinal, e dentro da noite cruzei lugares amaldiçoados e desolados e ruínas ciclópicas, e então cheguei por fim à Cidade de Chorazin. E lá uma grande torre de Basalto Negro estava construída, que fazia parte de um castelo cujas mais distantes ameias viravam sobre o golfo das estrelas. E sobre a torre estava um sinal.


E um ser pesadamente paramentado e velado me mostrou o sinal, e me disse para olhar, e contempla! eu vi relampejar sob mim quatro vidas passadas em que eu fracassei em meu objetivo. E eu contemplei a vida de Simon Magus, pregando a Puta Helena como a Sofia, e vi que meu fracasso estava na Hubris, o orgulho do espírito. E eu vi minha vida como Giles de Retz, na qual tentei educar Jehanne Darc para ser Rainha da Feitiçaria, e fracassei por sua estupidez, e uma vez mais por meu orgulho. E eu me vi como Francis Hepburne, Conde Bothwell, manipulando Gellis Duncan, que era um instrumento sem valor. E outra vez como Conde Cagliostro, fracassando porque fracassei em compreender a natureza da mulher em minha Serafina. E fui mostrado como um garoto de 13 anos nesta vida, invocando Satã e mostrando covardia quando Ele apareceu. E me foi perguntado: “Irás tu fracassar novamente?”
e respondi “Eu não fracassarei”. (Pois eu dei todo o meu sangue a BABALON, e não era eu quem falava.)


E depois disso eu fui levado para dentro e saudei o Príncipe do lugar, e depois disso coisas me foram feitas das quais não posso falar, e eles mo disseram, “Não é certo que você sobreviva, mas se sobreviver você atingirá sua verdadeira vontade, e manifestará o Anticristo”.


E nisso eu retornei e fiz o Juramento do Abismo, tendo apenas a escolha entre a loucura, o suicídio, e esse juramento. Mas o Juramento de maneira alguma melhorou esse terror, e eu continuei na loucura e no horror do Abismo por uma estação. Entretanto não mais que isso. Mas tendo passado a ordália de 40 dias eu tomei o Juramento de um Mestre do Templo, mesmo o Juramento do Anticristo ante Frater 132, o Deus Desconhecido.


E assim fui eu Anticristo solto no mundo; e a isto eu estou prometido, que a obra da Besta 666 cumprir-se-á, e o caminho para a vinda de BABALON será feito aberto e eu não pararei ou descansarei até que estas coisas sejam consumadas. E para este fim eu emiti este meu Manifesto.



O Manifesto do Anticristo


Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei.


Eu, BELARION, ANTICRISTO, no ano de 1949 do regulamento da Irmandade Negra chamada Cristianismo, faço meu Manifesto a todos os homens.


Um fim ao pretexto, e à hipocrisia mentirosa do Cristianismo.


Um fim às virtudes servis, e às restrições supersticiosas.


Um fim à moralidade escrava.


Um fim à modéstia e à vergonha, à culpa e ao pecado, pois esses são do único mal o sol, que é medo.


Um fim à autoridade que não é baseada na coragem e na virilidade, à autoridade dos padres mentirosos, dos juízes conluios, da polícia chantagista.


Um fim à bajulação servil e à lisonja dos costumes, as coroações das mediocracias, a ascensão de estultos.


Um fim à restrição e à inibição, pois Eu, O ANTICRISTO, sou vindo entre vós pregando a Palavra da Besta 666, que é, “Não há Lei senão Faz o que tu queres”.


E eu, BELARION, ANTICRISTO, levanto minha voz e profecia, e o digo:


Eu trarei todos os homens à lei da Besta 666, e em Sua lei eu conquistarei o mundo.


E dentro de sete anos doravante, BABALON, A MULHER ESCARALATE HILARION manifestar-se-á entre vós, e levará esta minha obra a sua fruição.


Um fim à conscrição, à compulsão, à arregimentação, e à tirania das falsas leis.


E dentro de nove anos uma nação aceitará a Lei da BESTA 666 em meu nome, e essa nação será a primeira nação da Terra.


E todos que me aceitarem como o ANTICRISTO e à Lei da BESTA 666, serão amaldiçoados e sua alegria será mil vezes maior do que as falsas alegrias dos falsos santos.


E em meu nome BELARION eles farão milagres, e confundirão nossos inimigos, e ninguém permanecerá ante nós.


Portanto eu, O ANTICRISTO, convoco a todos os Escolhidos e aos eleitos e a todos os homens, aparecei em nome da Liberdade, para que possamos findar para sempre a tirania da Irmandade Negra.


Testemunhe minha mão e meu selo neste dia [...] de [...] de 1949, que é o ano de BABALON 4066.



Amor é a lei, amor sob vontade.


BELARION, ANTICRISTO