domingo, 29 de março de 2009

Respondendo Ao Diabo


Nesta madrugada sangrenta

Na qual escorre de mim sangue,

Meu sangue de nobre

Filho Do Inferno

Evocando o seu Diabo Interno,

Ouço a voz Dele,

Que na verdade não é meu pai,

Eu não tenho a merda de um pai,

Deus,

Aquela merda chamada Deus

Não é o meu pai,

Deus nem padrasto é

Da minhoca na terra

De nossos jardins!


Não faço do Diabo meu pai!


O Diabo não é o meu pai!


Eu não preciso da merda de um pai!


Em meu recinto repleto de sangue,

Meu sangue meu sangue meu sangue,

Respondo ao Diabo todas as perguntas

Acerca do meu maldito estado,

Acerca do meu desgraçado estado,

Acerca do meu miserável estado,

Acerca da fascinante trajetória minha

Rumo a abismos mais profundos

Onde reinam as serpentes denominadas

Os Fins Dos Meus Atos

De Homem Feliz!


HOMEM FELIZ!!!


HOMEM FELIZ!!!


QUE HOMEM FELIZ,

MEU AMIGO DIABO?


"Que homem feliz tu és,

Meu amigo bardo inominável?",

Assim me pergunta antes de ir

O meu amigo Diabo,

Gargalhando e me fazendo gargalhar,

Diante da felicidade que possuo

Em ser um Filho Do Inferno

Ferozmente dotado

De voz pequena a gritar,

De pensamento de ódio,

De tudo tudo tudo tudo

Que aos Infernos me leva

Cada vez mais!


Todas as anteriores

Indagações Dele

Respondo com os meus versos,

Respondo com os meus escritos todos

Dispersos pelo Inferno Terrestre

E pelo meu inferninho particular,

Minha queridíssima Cova!


Respondo ao Diabo

Não como filho,

Mas como amigo,

Não sou filho de ninguém,

NÃO SOU FILHO DAQUELA

PORRA DE DEUS!!!


Clamei pelos Infernos

E Eles me atenderam!


Clamei pelo Diabo

E Ele me atendeu!


O QUE RECEBO EM RESPOSTA?


INSPIRAÇÕES

INSPIRAÇÕES

INSPIRAÇÕES...


Clamei no passado

Pelo desgraçado denominado

Deus!


O QUE RECEBI EM RESPOSTA?


LÁGRIMAS

LÁGRIMAS

LÁGRIMAS...


Inominável Ser

INSPIRADO PELO DIABO








Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: