sábado, 27 de junho de 2009

Poéticas Mãos Declamadas Por Florbela Espanca Em Três Poemas




?!...


Se as tuas mãos divinas folhearem

As páginas de luto uma por uma

Deste meu livro humilde; se poisarem

Esses teus claros olhos como espuma


Nos meus versos d'amor, se docemente

Tua boca os beijar, lendo-os, um dia;

Se o teu sorrir pairar suavemente

Nessas palavras minhas d'agonia,


Repara e vê! Sob essas mãos benditas,

Sob esses olhos teus, sob essa boca,

Hão de pairar carícias infinitas!


Eu atirei minh'alma como um rito

Às trevas desse livro, assim, ó louca!

A noite atira sóis ao infinito!...


21/7/1916





Conto de fadas


Eu trago-te nas mãos o esquecimento

Das horas más que tens vivido, Amor!

E para as tuas chagas o ungüento

Com que sarei a minha própria dor.


Os meus gestos são ondas de Sorrento...

Trago no nome as letras duma flor...

Foi dos meus olhos garços que um pintor

Tirou a luz para pintar o vento...


Dou-te o que tenho: o astro que dormita,

O manto dos crepúsculos da tarde,

O sol que é de oiro, a onda que palpita.


Dou-te, comigo, o mundo que Deus fez!

- Eu sou Aquela de que tens saudade,

A Princesa do conto: "Era uma vez..."





Sem palavras


Brancas, suaves, doces mãos de irmã

Que são mais doces do que as das rainhas,

Hão de poisar em tuas mãos, as minhas

Numa carícia transcendente e vã.


E a tua boca a divinla manhã

Que diz as frases com que me acarinhas,

Há de poisar nas dolorosas linhas

Da minha boca purpurina e sã.


Meus olhos hão de olhar teus olhos tristes;

Só eles te dirão que tu existes

Dentro de mim num riso d'alvorada!


E nunca se amará ninguém melhor!

Tu calando de mim o teu amor,

Sem que eu nunca do meu te diga nada!...











quinta-feira, 25 de junho de 2009

O Anjo Noturno Da Cova


Se há algo

que posso lhes dizer

acerca dos Mistérios

e das Iniciações

contidas neste cemitério

que com a inspiração

e a transpiração

e a respiração

provindas tanto

de cima

quanto de baixo

tornam-no sacralíssimo,

tal algo refere-se

ao Anjo Noturno

que abriu

todos os Portões

dos Mundos

aqui contidos.


O Anjo Noturno

que aqui está

abrindo cada vez mais

outros e outros

Portões

gosta de Metal,

gosta de Darkwave,

gosta do Abismo,

gosta dos Infernos,

tanto quanto gosta

das Orquestras Celestes,

das Altas Esferas,

dos Altos Mundos

Infinitamente Acima

Da Matéria.


O Anjo Noturno

sempre ao meu lado

nas poéticas horas

e nas não-poéticas horas

comprova que nada

pode ocorrer,

ser tocado,

ser penetrado,

sem que

A Alta Justiça

esteja fundamentando

uma base segura

dentro d'alma

que permita

o afundamento

tanto nas Trevas

quanto nas Luzes.


O Anjo Noturno

afirma que

não há mal em

afundar-se no Abismo

e nos Infernos,

já que Estes são

partes da Unidade

Que Gira Acima

E Distante

E Entre

Todos Nós

Da Humanidade Que

Caiu Porque Quis

E Devia Cair,

As Trevas

São Tão Filhas Do Um

Quanto As Luzes.


O Anjo Noturno,

Homem

E Mulher,

Macho

E Fêmea,

Caminho

E Caminho,

aqui está,

cadáveres que me

lêem,

cadáveres que me

acompanham,

cadáveres que me

desprezam,

cadáveres que me

renegam,

cadáveres que me

ignoram,

cadáveres que por aqui

passam

e não retornam.


O Anjo Noturno Da Cova

é essa Força Noturna

que está fervendo

em mim agora

e em vós agora,

a leitura destes versos

é A Voz Dele,

sintam A Mensagem

Dele,

sintam O Bater De Asas

Dele,

sintam A Poética Espada

Dele,

sintam A Aurora Maior

Dele,

Sintam O Anjo

Que Aqui Consagra

Esta Cova

Como Um Portal

Tanto Das Trevas

Quanto Das Luzes

Para O Equilíbrio

Da Balança

De Todos Aqueles

Que Corajosamente

Em Si Mesmos

Afundam-Se

Para Descobrir

A Unidade Residente

Abaixo De Toda Casca

D'Alma!


AVEMUS

ANGELUS!!!


AVEMUS

ANGELUS!!!


AVEMUS

ANGELUS!!!


AVEMUS

ANGELUS!!!


AVEMUS

ANGELUS!!!


AVEMUS

ANGELUS!!!


AVEMUS

ANGELUS!!!


AVEMUS

ANGELUS!!!


AVEMUS

ANGELUS!!!


Inominável Ser

ERGUENDO

UMA NOTURNA ORAÇÃO

AO ANJO NOTURNO

DA COVA