quinta-feira, 19 de novembro de 2009

O Livro Inominável Dos Vampiros - Canto IX


Lá...

Lá,

Mortais...

Onde

Não Há Sombra

Sangrando

Que Não Ensine

Acerca Do

Existencial Verdadeiro Lar

De Todos Os Seres

E De Todas As Coisas

Que Em Si Mesmas

São.

Lá...

Lá,

Mortais...

Onde

Não Há Refúgios Insanos

Ou

Refugos De Tempestades

Ou

Ceifas De Verdades

Aos Olhos Como

Os Nossos

Que Vêem Tudo

Sem As Frágeis Capas

Da Materialidade.

Lá...

Lá,

Mortais...

Onde

Se Arrasta Uma Força

Que Devora As Chamas

Das Existenciais Fraquezas

Que Abortam Os Zênites

Das Tochas Iluminantes

Das Cósmicas Verdades

Do Sangue Que Corre

Nas Grandes Veias

Do Grande Espírito

Da Criação.

Lá...

Lá,

Mortais...

Onde Os Nossos

Sonhos De Vampiros

Realizam Diante Dos Túmulos

Do Eterno Cemitério

Do Fogo Interno

Que Nos Acolhe

Rituais De Consagração

Da Visão Da Verdadeira

Vida Encarnada

Da Transcendência Infinita

Do Próprio Infinito,

Hinos

Entoados Com Vozes

Gloriosas,

Hinos

Entoados Com Gritos

Gloriosos,

Hinos

Entoados Com Amores

Gloriosos!

Lá...

Lá,

Mortais,

O Paraíso?

Lá...

Lá,

Mortais,

O Inferno?

Lá...

Lá,

Mortais,

O Purgatório?

Lá...

Lá,

Mortais,

O Abismo?

Lá...

Lá,

Mortais,

O Grande Deserto?

Lá...

Lá,

Mortais,

Os Grandes Vales Astrais?

Lá...

Lá,

Mortais,

O Três?

Lá...

Lá,

Mortais,

O Dois?

Lá...

Lá,

Mortais,

O Um?

Lá...

Não Adianta

Pensar

Sobre Lá,

Mortais.

Lá...

Não Adianta

Erguer O Maior

Dos Semblantes

Intelectivos

E Dialeticamente

Impecáveis

Sobre Lá,

Mortais...

Lá...

Não Adianta

Olhares Espirituais

E Vidências

Altamente Espiritualizadas

Que Alcancem Tudo,

Lá Sempre Será

Inatingível Para Os Vossos

Mortais Corpos

Espirituais...

Lá...

Não Adianta

A Mais Simples

Ou A Mais Complexa

Idéia Sobre

Lá,

Mortais,

Versos Ou Escritos

Não São Capazes

De Decifrar

O Que Nós,

Vampiros,

Eternamente Vivenciamos

Em Um Império No Qual

Nos Assemelhamos

Ao Puro Universal

Distante Do

Impuro Material.

Lá...

É O Tempo.

Lá...

É O Não-Tempo.

Lá...

É O Espaço.

Lá...

É O Não-Espaço.

Lá...

É O Pensamento.

Lá...

É O Não-Pensamento.

Lá...

É O Verbo.

Lá...

É O Não-Verbo.

Lá...

É A Origem.

Lá...

É A Não-Origem.

Lá...

É A Vida.

Lá...

É A Não-Vida.

Lá...

É A Morte.

Lá...

É A Não-Morte.

Lá...

É A Luz.

Lá...

É A Não-Luz.

Lá...

É A Escuridão.

Lá...

É A Não-Escuridão.

Lá...

Lá,

Ouvimos As Vozes

Dos Antigos Eremitas

Da Ordem Do Sangue

Do Sim

E

Do Não

A Cair.

Lá...

Lá,

Ouvimos As Mensagens

Dos Antigos Mestres

Da Ordem Dos Sinos

Do Sim

E

Do Não

A Tocar.

Lá...

Lá,

Ouvimos Os Conselhos

Dos Imperadores

E Das Imperatrizes

Dos Eternamente Moldados

Noturnos Eremitas

Que Nós,

Vampiros,

Somos,

No Sim

E

No Não

Dos Nossos

Pesadelos,

Dos Nossos

Sonhos,

Dos Nossos

Encontros,

Dos Nossos

Desencontros.

Lá...

Lá,

Antigo Espírito

Detentor

Da Antiga Imperfeição

Que Havia

Na Obra Da Unidade

E

Da Eterna Perfeição

Que Há

Na Obra Da Unidade

Nos Chama De

Eternos Filhos

Do Eterno Lar

De Antigos Ossos,

De Novos Ossos,

De Todos Os Ossos,

Do Pó Ao Sangue

Que Vitaliza-Nos

Na Imperfeição

E Na Perfeição,

No Caos

E Na Ordem,

Do Universal Tumular.

Lá...

Lá,

O Eterno Antigo

Que Nos Movimenta,

O Novo Querendo

Eternamente Sdwer Novo

Em Nossas Alianças

E Matrimônios,

Expande O Tecido

Do Vampírico Destino

De Toda A Nossa Raça

Mostrando-Nos

As Provas,

Mostrando-Nos

As Penitências,

Mostrando-Nos

As Perdas,

Mostrando-Nos

As Vitórias,

Mostrando-Nos

A Paz,

Enfim,

Que Alcançaremos

No Vampírico Dia

Da Vampírica Glória

No Seio

Do Grande Dia

Do Amanhã

Que Já Se Faz

No Agora

Dos Despertos

Onde Todos Os

Imortais

Estão Despertos.

Lá...

Lá,

Mortais,

Não Apenas Pertence

A Nós,

Vampiros,

Mas A Todos

Da Grande Senda

Da Imortalidade.

Lá...

Lá,

Mortais,

Não Existe

A Transição Esquecida

E Nem

A Mutação Rompida

Dos Materiais Mortais

Dias E Noites

Dos Mundos

Em Ascensão

Ou Descensão

Evolutiva.

Lá...

Lá,

Mortais,

Os Imortais Agradecem

Às Cruzes De Suas

Sendas Companheiras

E Doutrinantes

Pela Eternidade.

Lá...

Lá,

Mortais,

Como Aqui

Na Senda Material

Universal,

No Material Curso

De Todas As Coisas

Pelos Mundos Todos

Da Criação,

Nós,

Vampiros,

Carregamos Em Nossa

Senda Pontuada

E Consagrada

Pelos Eternos Raios

Da Grande Noite

A Nossa Cruz

De Eterna Benção

E De Eterna Maldição.







Reações:

2 Lamentos Finais De Cadáveres:

Allef Santos disse...

A cidade continua adormecida, as sombras cercam as paredes do escuro. Meus olhos sangram e minhas veias são mastigadas por formigas famintas,essa sombra olha por me a cada passo calado q dou. uma rachadura pequena abri-se no céu, o sol tenta nascer em plena noite negra!.
essa luz queima meus olhos escurecidos!

Inominável Ser disse...

É a luz das noites mais amadas no amargor dos tenebrosos dias bruscos absortos em nuvens vermelhas...