terça-feira, 23 de novembro de 2010

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - No Silêncio Das Mais Sedutoras Sangrentas Doutrinas


Um mal eterno reside

entre as ruínas de antigos

mundos abaixo de todos

os muros.


Eu sei como ficar

dentro de cada ruína,

sou um nefasto caminhante

sacudido por um belo mal...


Ela sabe como manifestar

em mim assim com ardor

cada maligno ardor

dentro do meu seco mal...


Gélida é a madrugada próxima,

Hitler e Satan dão as mãos,

Crowley e Lilith fodem,

Deus e Maria fogem.


Não há remédio para todo

silencioso mal,

ele está aqui em mim,

ele está aqui Nela.


Ela sonda minhas ruínas todas,

sabe de cada sombra

na noite de minha alma,

range os dentes e sangra...


Eu sangro... e sangro... e sangro

... e sonho... e sonho... e sonho...

sangro como antigamente sangrava...

sonho como antigamente sonhava...


Sibila A Serpente,

Ruge A Leoa,

Uiva A Loba,

Ela geme...


Esta que aqui está geme

diante de meu sangue,

diante do silencioso sangue,

O Silencioso Sangue Das Eras.


Mortes horrendas,

tributos aos Deuses Das Calamidades,

honras aos Deuses Das Destruição,

odes aos Deuses Da Escuridão.


Mortes sagradas,

saudações ao Poder Do Caos,

saudações ao Poder Do Inferno,

saudações ao Poder Do Abismo.


Centenas de Anjos Caídos

doutrinam aos Filhos Perdidos

do amado Abismo

aqui na Terra.


Silenciosamente prostrados

ao lado de cada Perdido Do Abismo,

com livros abertos

e sussurros nos espíritos.


Silenciosamente Ela empunha

o Seu Livro Do Abismo

e me ensina doutrinas

que se escondem do Divino.


Silenciosamente eu empunho

O Livro Inominável Do Abismo

e lhes ensino doutrinas,

ó, meus Irmãos Perdidos Do Abismo!


Inominável Ser

UM ANJO CAÍDO

DOUTRINANDO

E SENDO DOUTRINADO

POR OUTRO

ANJO CAÍDO







quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - Dentro Da Noturna Marcha Da Negra Hora


Aquele Que É O Verdadeiro

não nos condena,

Garota Dos Negros Sonhos,

estamos vigilantes

e em constantes passos

rumo ao Lado Sombrio

Da Eternidade.

Venha,

negra amiga de origens

que ultrapassam

as minhas próprias

eternas origens,

caminhemos juntos

dentro da Noturna Marcha

que nos carrega

para o interior da Energia,

A Moldadora Dos Seres,

A Moldadora Das Raças.

Sem valores,

sem Bem,

sem Mal,

sem juízos,

sem prejuízos,

sem conceitos,

sem preconceitos,

Noturna Musa,

caminhemos em direção

ao Sentido Original.

Façamos dos nossos pés

esmagadores dos falsos

Eus

que nos atormentaram

nas terras de breus

onde vivemos antigamente

quais comuns vermes

que humanamente sabiam

apenas a hora de nascer

e a hora de morrer.

Nós já morremos,

nós já nascemos,

dentro da Grande Noite,

Esta Assombrosa Gigante,

Mutilante Assaltante,

Geradora Onipotente,

Incentivadora Onisciente,

Matadora Onipresente,

Que Agita As Negras Ondas

Do Negro Mar

Dentro Do Grande Mar

Pelo Kosmos A Girar!

Vem ali A Maré!

Vem ali A Maré!

Vem ali A Negra Maré!

Busquemos A Negra Maré!

Busquemos A Negra Maré!

Busquemos nadar dentro

da Força Daquele

Que Está Na Origem

E No Fim,

No Alto

E No Abismo,

Na Vida

E Na Morte,

No Efêmero

E No Eterno!

Busquemos

O Inominável Desconhecido,

ò,

O Inominável Desconhecido,

Aquele Que É,

Aquele Que Foi,

Aquele Que Será

Aquele Que Está Sendo,

Uma Das Faces

Da Unidade!


Não somos crentes,

leitores de humana

amerdalhada mentalidade.

O nosso evangelho

é uma cruz quebrada

e a nossa bíblia

são asas de Anjos arrancadas.

O Inominável Templo,

A Inominável Igreja,

está dentro de nossas

Inomináveis Almas.

Os vossos templos,

as vossas igrejas,

repletas de ratos

a cultuarem

a Corrupção do

Falso Originador

De Toda A Vida,

cheiram tão mal

quanto os vossos

rabos.


Querem cheirar o meu rabo

e o rabo da Garota

Dos Negros Sonhos?


Inominável Ser

NA BUSCA MAIOR

DE SUA INOMINÁVEL

NOTURNA EXISTÊNCIA






quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - Rebeldia Ditando A Verdadeira Ordem


Não somos personagens de novelas


Não somos ficções baratas de mentiras


Não somos ficções em nada


Não somos rebeldes por vossa causa


Sim

Acomodado

Acomodada

Nós não somos rebeldes

Por vossa causa

Somos rebeldes pela causa

De um mundo melhor


Não somos de novelas

Nossas existências são tragédias

Nossas insistências são guerras

Não esperem de nós

Palavras doces

Não esperem de nós

Palavras amorosas

Não esperem de nós

Palavras delicadas


Somos as Imãs

Somos as Amantes

Deste bardo inominável aqui

Que se esfacela

Que se dilacera

Que se esfaqueia

Que se mata

A cada verso

A cada não-verso

A cada instante de seu

Regresso Ao Inominável


Somos Aquelas

Que aqui se apresentam

As Inomináveis

As Musas Inomináveis

Coroadas com vontades guerreiras

Que dariam inveja a Aquiles

Que dariam inveja a Hércules

Sem sermos violentas

Sem sermos sanguinárias

Sem sermos otárias

A ponto de agirmos neste

Bardo inominável aqui

Como bestas

Como feras


Na Noite

Na Grande Noite

Somos As Adultas Perfeitas

Vingamos As Mortes Dos

Verdadeiros Astros

Vingamos A Sorte Dos Pagões

Na Inquisição Incinerados

Dançamos Em Redor

Dos Círculos Virginais Terrestres

Assopramos nos ouvidos

Daqueles que podem nos ouvir

As Verdades Noturnos Inomináveis


Rebeldia É A Criação

A Criação Cresce Através

De Atos De Rebeldia

Toda Rebeldia É Poder Alcançado

Toda Rebeldia É Sede Saciado

Toda Rebeldia É Fome Extinta

Toda Rebeldia É Doença Curada

Toda Rebeldia É Ser Novo


Acomodados

Acomodadas

Por que aí em segurança

Vós aceitais a decadência terrestre

Ao invés de rebelar-se

E cortar as tuas ligações

Com os Deuses Decadentes

Representados pelo

Dinheiro

Representados pelo

Desamor

Representados pela

Exploração

Representados pelos

Preconceitos

Representados pelos

Assassinatos

Representados pelos

Roubos

Representados pelos

Estupros

Representados pelos

Desgraçados miseráveis homens

Que estão ao comando

Da desgraçada miserável

Política?


Por que não rebelar-se

Contra um mundo decadente

Assim?


Por que não rebelar-se

Contra a vossa infelicidade

Assim?


Por que não rebelar-se

Contra a vossa inferioridade

Diante da falsa superioridade

Dos monstros que coordenam

Todos os seus passos

Todos os passos do mundo

Alienando-te

Enganando-te

Sufocando-te

Cegando-te

Assim?


Não precisas ser Inominável

Para rebelar-te

Acomodado

Acomodada

Que está aí lendo os versos

Que nascem nesta rebelde madrugada

De rebeldia inominável


Precisas ser apenas rebelde

Queimar toda bandeira

Erguer esta bandeira:


A BANDEIRA DA TUA VERDADEIRA ALMA

A BANDEIRA DO TEU VERDADEIRO SER

A BANDEIRA DO TEU VERDADEIRO EU


Não te ensinaremos a fazeres isso

Seu acomodado


Não te ensinaremos a fazeres isso

Sua acomodada


Rebelem-se

Apenas

E cuspam em todas as bandeiras

Que são estrangeiras

Em vossas Almas Eternas

Em vossos Seres

Em vosso Eus


Rebelem-se

Por um mundo melhor


Ou

Se preferirem

Fiquem aí mesmo

Alienados

Acomodados

Mornos

Insossos

Enquanto os monstros vencem

E o vosso amanhã fica mais

Decadente

Decadente

Decadente


Eis a escolha única:


REBELDE SER

OU

DECADENTE SER?



Inominável Ser

REBELDE

SER

INOMINÁVEL






terça-feira, 9 de novembro de 2010

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - Para Quê A Sanidade Do Comum Diante Da Insanidade Do Incomum?


Os coloridos dispersam-se

Os ritmos são tambores novos

No Negro


As colorações são névoas de farpas

Os estampidos dos tambores

São O Negro


Preferível ter a companhia

De todos os Deuses Das Trevas

De todos os Deuses Infernais

De todos os Deuses Abismais

Do que a de um religioso

Que pensa que o seu Deus Único

É maravilhoso


Preferível ter a companhia do Diabo

Fumando aqui à minha esquerda

Um cigarro de intensas certezas

Do que a companhia de um cretino

Que se acha digno apenas porque

Possui imensa riqueza


Preferível ter a companhia de Satan

Aqui ardendo em insanidades nada vãs

Que blasfemam maravilhosamente

Contra as cruzes de um mundo

Fadado ao desespero desgraçado

Do limbo das falsas lágrimas


Preferível ter a companhia de Lúcifer

Aqui me iluminando com

A Tocha Da Estrela Dos Amanhãs

Do que ser um cego boçal

A emitir palavras comuns

Pelo mundo virtual

Ou fora do mundo virtual


Preferível ter a companhia de todos

Os Demônios Dos Infernos

De todos os Demônios Inomináveis

Melhores do que todos vós

Seres humanos que se refazem

A cada queda do morro

De suas cegueiras

E nunca aprendem que tudo

Não é o que possui nome

E o que vêem materialmente


Preferível a companhia da Deusa Morte

Preferível a companhia da Deusa Miséria

Preferível a companhia da Deusa Desgraça

Preferível a companhia da Deusa Escuridão

Preferível a companhia da Deusa Solidão

Preferível a companhia da Deusa Madrugada

Preferível a companhia da Deusa Meia-Noite

Do que a das presenças podres

De cada um de vós

Seus humanos esgotados

Seus humanos fracassados

Seus humanos fodidos!


Preferível a companhia dos Vampiros

Sugando o sangue de um maldito

Humano fodido

Enquanto eu gargalho vendo o sangue

Ser lentamente sugado

Enquanto eu gargalho vendo mais um

De vós que odeio

Morrendo!


Preferível isso tudo

Preferível

Mas

Sou humano

Sou fodido como vós...


Contudo

Não me valho da minha condição fodida

Para ser igual a vós

Eu guerreio

Eu guerreio

Eu guerreio muito

Acompanhado pelos que

Também guerrearam para não serem

O que vós sois


Falo dos Inomináveis

Falo das Inomináveis

Somos gente diferente

Se é que podemos ser chamados

De gente...


Vós podeis nos chamar de animais

Já que preferimos também

A companhia nobre dos animais

Do que a vossa companhia

Que apenas pode nos fazer

Mal mal mal...


Não somos da feira

Não somos nemesedianos

Não somos solitarys

Não somos Renatas Dementes

Ou qualquer demente humano

A pensar que a Realidade

Se mostra apenas

No comer

No beber

No dormir

No transar

No festejar

No esbaldar-se

Com as rações disponíveis ao nosso alcance

Como vós fazeis

Semelhantes a porcos de chiqueiros

Que nem lavados são


Nos xinguem bastante

Nos odeiem bastante

Não estamos nem aí

Não somos comuns como vós

Somos incomuns como

Alguns de vós

Alguns de vós que Ouvem

Os Cânticos Noturnos Das Verdades Noturnas

E se aproximam de nós

Inomináveis

Com seus nomes

Ou sem os seus nomes


Não somos como vós

Nós

Inomináveis

Não somos

E Sabemos que vós comuns

São apenas pobres coitados

São apenas pobres infelizes

São apenas pobres humanos fodidos


Sou humano

Sou humano fodido


Mas

Sou Inominável


Quem pode dizer que eu sou

O contrário?


Quem pode dizer que eu não seja

Um louco

Amado por Feminis Criaturas

Do Astral Que São

As Inomináveis?


Sou louco!


Sou louco!


Sou louco!



Sim

Sou louco

Pois preferível é

A Deusa Loucura

Amando-me abraçando-me

Acasalando-me abençoando-me

Do que me sentar em um boteco

Beber um cervejinha

Conversar besteirinhas

Enquanto o mundo inteiro

Se torna um borbulhar de ruínas

Seus bostinhas!


ACORDA

HUMANIDADE FODIDA

DEIXA DE SER COMUM

E ARRANCA DAÍ DE SEU PEITO

O VERDADEIRO GRITO DA LIBERDADE

MESMO QUE O VOSSO PRÓPRIO SANGUE

NECESSITE CAIR

E CRÂNIOS SEJAM POSTOS

ACIMA DE TODOS OS MUROS

E O CAOS SEJA PAI

DE TODO HORIZONTE TERRESTRE!!!



Amores Noturnos Inomináveis

Também são

O Amor Pelo Retorno

Da Verdadeira Humanidade


Inominável Ser

LOUCO

INCOMUM

INOMINÁVEL