sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

O Livro Inominável Dos Vampiros - Canto XVII



Sangue No Grande Rosto

Universal,

Essência Do Primordial

Dentro Do Eterno Mar

Dotado De Amor

Ao Brotar

Do Instinto

Da Primeira Torre

De Verdadeiro

Seio A Nos

Amamentar...

O Grande Rosto

Universal

Lá Está...

O Grande Rosto

Universal

Aqui Está...

O Rosto

De Cada Um De Nós,

Sobreviventes Aos Universos

Que Morreram

E Foram Esmagados

Pelas Altas Forças

Da Perfeição

Refletem

Luzes

De Cores Maiores,

Refletem

Trevas

De Todas

As Sombras Maiores.

Maior

Sombra,

Maior

Luz,

Nós,

Vampiros,

Mortais,

Somos A Chama Dançarina

No Rosto Do Creador,

O Olhar Que Damos

Aos Sóis Universais

Em Nossos Interiores

É O Alegre Trono

Onde Nos Sentamos

Com O Orgulho

Maior.

O Creador,

O Um,

O Uno Rosto,

Mortais,

Servimos Aos Princípios

De Vitais Levantes,

Os Levantes

Do Rodar,

Os Levantes

Do Raiar,

Os Levantes

Do Ramificar.

Aguardamos A Visão

Do Rosto Dos Imortais,

É A Belíssima Noção

Do Sangue Da Criação

Caindo Em Nossos

Lábios Amantes

Da uma Visão.

Geradores Determinados

De Reinos E Impérios

Em Nossos Rostos

Gravados,

Cada Vampiro

Reina,

Cada Vampiro

Impera,

Somos Senhores

Da Chama Daquela Vela

Que Se Acende

Ao Reflexo Dos Vossos

Rostos,

Mortais,

Quando Vossas Cascas

Materiais

Já Não São Habitadas

Pelos Vossos

Espíritos Imortais.

Senhores

De Rostos

Imateriais,

Mortais.

Senhores

De Rostos

Cosmicamente

Verbais,

Mortais.

Senhores

De Rostos

Carmicamente

Queimados,

Mortais,

Nossos Gozos

E Nossas Penas

Gravadas Estão

E Completas

Em Nossos

Olhos A Mais

No Império De Nossas

Presas Imortais.

Exploramos Os Pontos

Dos Pólos

Do Grande Rosto

Que Moldamos

Em Nós.

Impomos Aos Mundos

A Sombra Do Rosto

Dos Patronos Do Sangue

Que Não Há

Em Todos Vós,

Mortais.

Quem Pode Saber,

Dentre Os De Vossa

Mortalidade,

Da Agitação Do Rosto

Daquele Senhor

Maior Do Que

Todos Nós?

Quem Pode Ter

O Poder,

Dentre Os Que

Se Julgam Eternos

Dentre Vós,

Mortais,

Da Nação Amiga

Dos Rostos

Que Nascem

E Renascem

Dentro Do Rosto

Que Nasce

E Renasce

E Nunca Renasce

E Nunca Nasce?

Quem Pode Ter

O Querer,

Entre Vossas

Orbes E Ordens

Mortais,

Seres Do Pó

E Do Veneno

Do Nascer

E Envelhecer

E Desencarnar

E Renascer,

Está Diante

Do Rosto Do Senhor

Que É O Rosto

De Todos Nós,

Imortais

E

Mortais?

Relaxamos

À Visão

Do Rosto

Dele...

Realçamos

A Visão

Do Rosto

Dele...

Revelamos

A Visão

Do Rosto

Dele...

Reunimos

A Visão

Do Rosto

Dele...

Revolucionamos

A Visão

Do Rosto

Dele...

A Visão

Do Rosto

Dele...

Sabeis

Ver O Rosto

Dele,

Mortais?

A Visão

Do Rosto

Dele...

Sabeis,

Mortais,

Alcançar O Topo

Da Grande Visão

Do Maior Dos Rostos

Da Criação?

A Visão

Do Rosto

Dele...

Aquela Visão

Maior...

Aquela Visão

Real...

Aquela Visão

Sedutora...

Aquela Visão

Amiga...

Aquela Visão

Aterradora...

Aquela Visão

Eterna...

Aquela Visão

Terna...

Aquela Visão

Definitiva...

Aquela Visão

Definidora...

Aquela Visão

Dominante...

Aquela Visão

Navegante...

A Visão...

A Visão

Que Temos,

Vampírica Semente

Que Plantamos

Em Nossos Rostos

Que Para Vós,

Mortais,

São Rostos

De Monstros

E De Meros

Predadores Bestiais.

Não Somos Assim

E Nem Semeamos,

Nós,

Vampiros Reais,

A Discórdia Diante

Do Rosto Maior,

Aquele Rosto

Que É

Toda A Reflexão

E Toda Ação

Do Rosto Além

Que Ele É.

Aguardamos,

Vivemos

Na Morte

Do Espelho Refletindo

O Rosto

Dele.

Aguardamos,

Sim,

Mortais,

Aguardamos Os Momentos

Nos Quais

As Vestes Das Realidades

Caem Vociferando

Sagrados

E Profanos

Nomes Dedicados

Ao Fortalecer

Das Coisas Várias

Atuantes Na Maior

Das Terras Várias.

Terras Do Rosto

Das Alamedas Cósmicas

Gritantes No Gozo

Das Horas Amadas.

Terras Do Rosto

Das Vertigens Das

Nobres Horas,

Hordas De Focos

Nas Estradas Tenebrosas.

Terras Do Rosto

Do Peso Dos Túmulos

Que Irradiam Juntos

O Solo Supremo

Das Noites

Na Noite

De Todos Os Mundos.

Terras Do Rosto

Das Culpas

Que Caem Rotas

Nas Nascentes Vitais

Das Vestes Poucas

Vertendo Líquidos Ermos

Nos Desertos

Das Poucas Vozes

Ouvidas Eternamente

Nas Cavernas Transcendentes

Do Lar Original

De Todas As Formas.

Terras,

Rosto,

Rostos

Novos...

Rostos

Antigos...

Rostos

Fátuos...

Rostos

Ferventes...

Rostos

Formadores...

Rostos

Suavizados...

Rostos

Eternizados...

Rostos

Encantados...

Rostos

Louvados...

Rostos

Altivos...

Rostos

Alados...

Rostos

Singulares...

Rostos

Plurais...

Rostos

Douros...

Rostos

Prateados...

Rostos

Ensanguentados...

Rostos

Reais...

Rostos

Do Rosto

Dele,

O Rosto

Do Uno Pai

Singrando...

O Rosto

Do Uno Pai

Simulando...

O Rosto

Do Uno Pai

Verificando...

O Rosto

Do Uno Pai

Voltando...

O Rosto

Do Uno Pai

Descortinando...

O Rosto

Do Uno Pai

Desafiando...

O Rosto

Do Uno Pai

Desiludindo...

O Rosto

Do Uno Pai

Afirmando...

O Rosto

Do Uno Pai

Afinando...

Somos

Rostos...

Vós Sois

Rostos,

Mortais...

Rostos Dele

No

Rosto Dele,

Mortais...

Oferecemos A Ele,

Ao Rosto

Do Ser Da Criação

A Nossa Jugular.










Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: