sábado, 27 de fevereiro de 2010

Quando Eu Estiver Perto De Morrer, Noturna Desgraçada Diaba


Quando Eu Estiver Perto De Morrer,

Noturna Desgraçada Diaba,

o Fogo Infernal

vai se abrir,

advirá do

Reino Inferior

De Myhalmyr

uma turba de

amigos e inimigos

todos meus,

feitos nas

Esquecidas Eras

De Dor

E De Breu.


Quando Eu Estiver Perto De Morrer,

Noturna Desgraçada Diaba,

haverá uma confusão

entre Aqueles

Inomináveis

Das Luzes

e

Aqueles Inomináveis

Das Trevas:

com quem ficará

minha eterna alma?;

para onde irei

nas Luzes?;

para onde irei

nas Trevas?;

ou no Limbo

permanecerei,

longe,

mui longe,

das duas

Inomináveis Tribos

nas quais sou

Mago,

Feiticeiro,

Mentor

e Rei?


Quando Eu Estiver Perto De Morrer,

Noturna Desgraçada Diaba,

lerão mil

Inomináveis Livros,

escritos com o meu

sangue

e com o sangue

que suguei

de minha

Serpente Mulher,

diante de meu

futuro cadáver,

o qual ficará deitado

perto do

Altar Das Encruzilhadas

Terrestres,

tendo em redor

Lilith,

Babalon

Hecate

e Maria Padilha;

Obaluaye,

Omulu,

Tata Caveira

e Exu Caveira;

Lúcifer,

Satan

e O Diabo;

O Dragão Negro

Coroado Com

As Pétalas Da Flor

De Meu Morrer;

As Amadas

Noturnas

Inomináveis

como Tu,

Amada,

Desgraçada,

Diaba.


Quando Eu Estiver Perto De Morrer,

Noturna Desgraçada Diaba,

haverá cantoria,

A Inominável Orquestra

Das Luzes

E Das Trevas

entoará

A Sinfonia

Do Coveiro Inominável

Giovani Coelho de Souza,

meus inimigos

ficarão com inveja,

serei louvado

nas Luzes

e nas Trevas,

terei vitórias

sobre todos

que me desprezaram,

terei vitórias

sobre todos

que me abandonaram,

terei vitórias

sobre todos

que me humilharam,

não serei

uma quimera,

não serei

um “que merda!”,

serei um

Espírito melhor

lá no Astral,

andando

para lá,

andando

para cá,

seduzindo

estrelas,

amansando

feras,

abraçando

punhais,

beijando

terras.


Quando Eu Estiver Perto De Morrer,

Noturna Desgraçada Diaba,

terei

Paz,

terei

Guerra,

serei

Feliz,

serei

Bom,

um Bom

Inominável Chupador

De Uma Buceta,

a buceta

de minha

Serpente Mulher,

que divide comigo

agora,

neste mundo

povoado,

a cama,

e que dividirá

comigo ainda,

lá no

Grande Deserto,

quando for

a nossa

Serpentina Hora,

a cama com

Nossa Senhora Lilith,

Aquela Que

Pela Grande Noite

Chupa A Tua

Buceta,

Desgraçada,

Diaba.


Quando Eu Estiver Perto De Morrer,

Noturna Desgraçada Diaba,

quero Ver

como vou morrer,

se esfaqueado,

se baleado,

se atropelado,

se linchado

ou tranquilamente

em uma cama

de um hospital público

caindo aos pedaços,

assim como te Vi

morrer

aos meus pés

quando lutamos

um contra o outro

na Oitava Cruzada

da cristandade

de vala.


Inominável Ser

MUITO LONGE

DE MORRER

PARA O VISÍVEL

DESTE MUNDO

DE NADA








sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

O Livro Inominável Dos Vampiros - Epílogo


Esta é a minha realidade e a minha verdade. Um arremesso meu contra a convencionalidade da mortalidade toda batedora nas faces dos encarnados viciados na carnal trajetória sem maiores alturas em maiores coragens e em maiores roupagens de ainda maiores carruagens. Um testamento meu ditado pelos que atravessam sem medos os tremendos caminhos rumo aos penhascos libertadores da Força Da Eternidade. Inominável Testamento Dos Vampiros Reais, Filosofia Cósmica Da Vampírica Real Imortalidade, A Verdadeira História Divinamente Inspirada Do Vampirismo Real Na Criação... Ou, para os cegos mortais da Terra e de todos os mundos materialmente absorvidos pelas mentiras do pó material, mentiras de um louco no próprio pó, enganos de um louco alimentando-se de seu próprio pó e a loucura de um pobre mortal que Vampiro Real se crê envolto no próprio pó... Não importa, aqui está o que Ouvi. Não importa, aqui está o que Li. Não importa, aqui está o que Vi. Não importa, aqui está o que Recebi.


Aguardo tranquilo a estaca, uma certeira estacada neste meu mortal coração, para enfim, no fundo de minha cova, ser recebido pelos que ditaram este livro, O Livro Inominável Dos Vampiros. Tudo que perdi em versos e letras foi restituído neste livro para todos os Imortais e Mortais da Criação. Desencarnarei daqui há muitos anos, ainda há muito que realizarei neste mundo, Eles, os que ditaram este livro, agora dizem-me... Viverei ainda esta morte que tanto me assombra e que entorpece a todos os iludidos com as vestes materiais... Viverei morto ainda alguns muitos anos além, a linha da vida em minhas mãos revela-me que tenho que viver esta morte ainda muito tempo a mais... Viverei morto ainda mais, bebendo do sangue poeticamente vertido em meus sentidos imortais... Viverei morto ainda mais, poeticamente sendo sugador de todas as Verdades Universais que puder sorver... Viverei morto ainda mais, vampiricamente bebendo do Kosmos a minha imortalização através da poesia e da escrita que inominavelmente são estacas perfurantes de todos os olhos mortais!


Agradeço-vos, Vampiros Reais, pela Inspiração!


Agradeço-Lhe, Mestre Inominável, pela Vossa permissão a fim de que a Inspiração se tornasse versos imortais!


Agradeço-Lhe, Uno Pai Dos Imortais E Dos Mortais, Consciência Mantenedora Da Criação, Verdadeiro Deus Creador De Tudo Cosmicamente Formador Dos Universos, Primeiramente, Por Cada Página Deste Livro Escrito Com O Sangue Da Criação A Escorrer De Minhas Mãos!


A Eternidade Aqui Fala!


O Infinito Aqui Fala!


Oh, Inominável Maldição É Ainda Cravar Os Dentes Na Deusa Poesia E Eternamente Continuar A Sugar A Mais Eterna Inspiração Neste Livro Sendo Eternamente Escrito Em Todos Os Tempos E Templos Para Vampiros E Não-Vampiros, Imortais E Mortais, Inomináveis E Nomeáveis, Todos, Enfim, Advindos Da Unidade!









quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

O Livro Inominável Dos Vampiros - Canto XXII


Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Exímios Artistas

Do Kosmos,

Reais Atores

Do

Drama Cósmico

Da Experiência

Do Sentir.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Sedentos De Desejos

Pela Vida Cósmica,

A Vida

Mais Livre,

A Vida

Mais Das Auroras.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Exemplos De Serenos

Buscadores Do Ideal

Que Cosmicamente

Acende Os Faróis

Das Barcas Da Vida

Flutuantes

No Grande Mar

Onde Reina

A Grande Barca

Da

Verdadeira Vida.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Operadores De Um

Genuíno Instrumento

Muito Antigo

Denominado

Sabedoria Dos Que

Se Ocultam

Das Luzes Que

Cegam

E Das Sombras Que

Negam

E Do Nublado Que

Engana.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Tesouros De Um

Antigo Monarca

Que Rosna

E Fere

E Abençoa

Do Abismo

Cosmicamente

Sagrado.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Sonoros Impérios

De Orquestras

Regidas Pelas Ondas

Do Sangue Cósmico

Orientando-Se

Para A Altura

Da Primordial

Morada.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Vivos Cósmicos

Símbolos

Da Virtude Vitalizante

Do Redemoinho

Das Determinações

Dos Sepulcros Vertiginosos

Dos Giros Totais,

Os Giros

De Antes,

Os Giros

Do Amanhã,

Os Giros

Do Agora,

Os Giros

Do Nunca Girar,

Os Giros

Do Todo,

Os Giros

Do Nada,

Os Giros

De Todos,

Os Giros

Do Nada

Que Fazem Parte

Do Grande Enredo

Da Cósmica História.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Arremessos Mais Vivos

De Raios

Aos Firmamentos Dos

Mundos Mais Reais

Que Nos Somam

Diante Da

Máquina Existencial

A Pesar

Cada Ser,

Pesar

Na Floresta

Do Amanhecer,

Na Floresta

Do Entardecer,

Na Floresta

Do Anoitecer,

A Vampírica

Floresta

Da Manhã

Tardia

De Todas

As Noites

Sagradas

E

Profanas.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Reais Livros

Das Histórias

Dos Tempos

Que Foram

Jamais Lidos,

Janelas De Mundos

Que Se Partiram

Ou Partidos Foram

Pela Ação

Do Cósmico

Evolucionismo,

Cósmicos Exemplares

De Cometas

Cujos Olhos Jazem

Nos Túmulos

Dos Ocultos Planetas

Da Irmandade

Maior

Das Sombras

Eternas.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Patamares De Graus

Acima Dos

Ditames Existenciais

E Dentro Da

Existencialidade,

Paradoxos Desejáveis

Por Todos Aqueles

Que Buscam

A Verdadeira

Imortalidade,

Nexos Adoráveis

Para Todos Aqueles

Que Planejam Viajar

Pelas Estradas Familiares

Aos Ossos Que

Encontram-Se Falantes

Nos Domínios

Dos Reinos Sombrios

Da Eternidade.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Folhas Da Árvore

Da Centelha De Sangue

Vertido Sobre

O Tecido Existencial

Da Criação,

Raízes Renegadas

Da

Árvore Da Vida

Universal,

Troncos Afirmados

Da

Árvore Da Morte

Universal,

O Todo

Da

Árvore Da Criação

Cujas Raízes

Iniciam-Se

Na Unidade

E Continuam

A Iniciar-Se

Através Da

Multiplicidade.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Esperanças De Novas

E Novas

E Cada Vez

Mais Novas

Velozes Variações

Dos Prismas Siderais

Que Consideram

Os Fundamentos

Das Glórias

E Das Desonras,

Cada Qual Sendo

Ensinamento Doutrinador

Da Força Máxima

De Internas Verdades

Acolhidas No Calor

Da Forma

No Abraço Que Traz

Toda Mais Verdadeira

Morte

E

Todo Mais Verdadeiro

Renascimento.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Marchando Destemidos

Entre Todos

Os Cadáveres

Amontoados Pelos Mundos

Que Se Foram,

Pelos Mundos

Que Irão,

Pelos Mundos

Que Sempre

Estarão,

Calçando Sangue

Aos Pés,

Pés,

Antigos Pés,

Muito Antigos Pés

Que Já Pisaram

Nas Primeiras Fontes

De Cósmico Sangrar

Nas Primeiras Pontes

Do Rio Das Almas

Perdidas

E Encontráveis

No Útero

Da Sagrada

Escuridão Eterna

Mãe Maior

Dos Noturnos Filhos

Do Uivo

Silencioso,

Do Rugido

Medonho

E Do Sibilar

Sigiloso.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Comemorações Dos

Palácios Da Dor,

Comemorações Dos

Palácios Do Amor,

A Dor

Da Eternidade

Sempre Sedenta

Para Muitos

De Nós,

O Amor

Da Liberdade

Para Os Que

Comem O Cósmico

Em Suas Refeições

Mais

Singulares.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Teares Que

Magas Cósmicas

Envoltas Em Brumas

E Em Sombras

Manipulam,

Criando Mantos

Que Ocultam

A Nossa Natureza

Da Aspereza Material,

Que Expressam

A Nossa

Noturna Beleza

No Vagar Da Sombra

Do Luar

Espectral.

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Corações Do Grande

Coração Universal,

Pulsações

Mortalizantes,

Pulsações

Realizantes.

Pulsações

Vitalizantes,

Organismos

No Grande Organismo

Organizador

De Toda Pulsação

De Verdadeira Vida

E De

Verdadeiro Caminhar

Nas Rotas Das Grandes

Noturnas Horas

Dentro Do

Coração Da

Grande Noite

Da Criação,

A Pulsar

A Pulsar

A Pulsar

A Pulsar

A Pulsar

A Pulsar

A Pulsar

A Pulsar

A Pulsar

E A Nos Fazer

Respirar

Respirar

Respirar

Respirar

Respirar

Respirar

Respirar

Respirar

Respirar

O Ar Repleto

Do Verbo

Crear

Crear

Crear

Crear

Crear

Crear

Crear

Crear

Crear

Em Nós Mesmos!

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Creadores

Do Sentir,

O Sentir

De Toda

Cósmica

Esfera,

O Sentir

De Toda

Cósmica

Fera,

O Sentir

De Toda

Cósmica

Selva,

O Sentir

De Toda

Cósmica

Célula,

O Sentir

De Toda

Cósmica

Molécula,

O Sentir

De Toda

Cósmica

Pérola,

O Sentir

De Toda

Cósmica

Fogueira,

O Sentir

De Toda

Cósmica

Sangria!

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Creadores

Dos Sentidos,

Os Sentidos

De Toda

Cósmica

Visão,

Os Sentidos

De Toda

Cósmica

Audição,

Os Sentidos

De Todo

Cósmico

Paladar,

Os Sentidos

De Todo

Cósmico

Olfato,

Os Sentidos

De Toda

Cósmica

Intuição,

Os Sentidos

De Todo

Cósmico

Sentido

Universal!

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Vampiros,

Creadores

Dos Sentimentos,

Os Sentimentos

De Todo

Cósmico

Amor,

Os Sentimentos

De Todo

Cósmico

Ódio,

Os Sentimentos

De Toda

Cósmica

Abnegação,

Os Sentimentos

De Todo

Cósmico

Egoísmo,

Os Sentimentos

De Todo

Cósmico

Interesse,

Os Sentimentos

De Todo

Cósmico

Desinteresse,

Os Sentimentos

De Todo

Cósmico

Apreço,

Os Sentimentos

De Todo

Cósmico

Desprezo,

Os Sentimentos

De Todo

Cósmico

Apego,

Os Sentimentos

De Todo

Cósmico

Desapego,

Os Sentimentos

De Todo

Cósmico

Prazer,

Os Sentimentos

De Todo

Cósmico

Desprazer,

Os Sentimentos

De Todo

Cósmico

Vampírico

Coração Apaixonado

Pelo Sabor

Do Sangue

Da Verdadeira Vida

A Cair

Dos Vivos Lábios

Da Unidade!

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Os Vampiros

Reais,

Mortais,

Somos O Sentir!

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Os Vampiros

Reais,

Mortais,

Somos Os Sentidos!

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

Nós,

Os Vampiros

Reais,

Mortais,

Somos Os Sentimentos!

Sentir...

Sentidos...

Sentimentos...

O REAL

SENTIR

NOS

REAIS

SENTIDOS

DOS

REAIS

SENTIMENTOS

DO KOSMOS

A NOS UNIR,

MORTAIS,

COMO IRMÃOS

EM EVOLUÇÃO

NO GRANDE

CICLO

DAS GRANDES

MUTAÇÕES

DA CRIAÇÃO,

A REAL

CRIAÇÃO

DA UNA

REAL ORIGEM

DE TODOS

NÓS,

REAIS SERES

EM SUAS REAIS

EXISTENCIAIS

CAMINHADAS

REAIS!!!

Sentir...

O Sentir,

Mortais...

Sentidos...

Os Sentidos,

Mortais...

Sentimentos...

Os Sentimentos,

Mortais...

Sentir,

Irmãos

Mortais...

Sentidos,

Irmãos

Mortais...

Sentimentos,

Irmãos Mortais...