terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

O Livro Inominável Dos Vampiros - Canto XX



Segredos Do Poder

Dividimos Com

O Alvorecer

Dos Tempos Maiores

Seduzindo-Nos No Fervor

Das Viagens Das Horas

Gloriosas.

Gloriosas,

As Horas Gloriosas,

Tremores Nos Mundos

Quando A Vertigem

Da Irmandade Nossa

Ultrapassa Os Limites

Estabelecidos Entre

Todos Os Imortais

Noturnos Seres.

Não Somos,

Nós,

Vampiros Reais,

Os Reais Inimigos

De Vossos Arruinados

Corpos Materiais,

Mortais.

Vossos Inimigos Maiores

Sois Vós Mesmos.

Vosso Sangue

Alimenta Alguns

De Nós.

Vossos Pensamentos

Alimentam Alguns

De Nós.

Vossas Energias

Alimentam Alguns

De Nós.

Vossos Prazeres

Sexuais Alimentam

Alguns

De Nós.

Sim,

Mortais,

Não Negamos

Que Alguns De Nós

Se Alimentam

De Vós,

Mas Monstros Reais

São Os Que

Vós Sois

Uns Para Os Outros.

Os Verdadeiros Vampiros

São Unidos,

Formamos Uma Confraria

De Muitos Escolhidos

Entre Muitos Chamados

Diante Da Hora Rubra

Da Constelação

Do Urso Sangrento

Amante Da

Garça Noturna.

Riscamos Um Fósforo,

Acendemos Uma Fogueira

Diante Do

Túmulo Do Monumento

À Existência,

Nos Julgamos Capazes

De Sermos União

E Não Desunião

Diante Das Diversidades

De Nossos Variados

Povos.

Vivemos Unidos,

Nós,

Vampiros Reais

Não Bestiais,

Alguns Se Alimentando

Apenas Do Kosmos,

Apenas Da

Energia Cósmica,

Viajante Pelos Mundos,

Viajante Pela História.

A História Da Criação

Não Conta

A Nossa Verdadeira

História,

Nossos Verdadeiros

Livros Históricos

Escritos São

Em Nossas

Imortais Faces,

Olhem Para

Um Vampiro Real,

Mortais,

E Lerão A Todos

Os Livros Históricos

Sobre Nós.

Se Vós,

Mortais,

Soubésseis Conhecer

Um Vampiro Real,

As Ilusões

E Os Medos

E As Farsas

Cessariam De Ser-Lhes

Vitais.

Nossa História

Está

No Morto Brilho

Vivo

De Nossos

Olhares.

Nossa História

Está

Na Morta Secura

Viva

De Nossos

Lábios.

Nossa História

Está

Nas Linhas Frias

Mortas E Vivas

De Todo

Nossos Rostos.

Nossa História

Cobra A Face

Da Distância

Das Vossas

Linhas Históricas,

Mortais,

O Que Fomos,

O Que Somos,

O Que Vamos

Ser,

Não Está Perto

Da Lente De

Parcos Conhecimentos

Dos Vossos

Historiadores.

Nossa História

Está Em Livros

Que O Sangue Cósmico

Abençoa,

Que O Sangue

Das Nossas Vítimas

Quando Precisamos

Abençoa,

Que A História Do Sangue

Mesma,

A Do Sangue

Que Todos Nós,

Vampiros,

Derramamos,

A Do Sangue

Que Sugamos

Por Vós

Derramado,

Abençoa

No Grande Livro

Do Sagrado Sangue

Do Cósmico Coração

Da Criação.

Retornamos

À História,

Nossa História,

Na Qual

Os Fortes Vencedores

Diante Dos Raios

Das Negras Solares

Esferas Cósmicas

Saboreiam A Gota

De Grande Sangue

Que Cai Dos Lábios

Do Nosso Pai,

O Primeiro

De Todos Nós

Que Somos

Os Vampiros

Reais.

No Rosto,

Ele,

Nosso Pai,

Possui A História Toda

De Cada Um

De Nós,

Vampiros Reais

Filhos Dele

Historicamente Partes

Da Oculta Trajetória

Dos Mundos Universais.

No Rosto

Do Primeiro De

Todos Nós,

Nosso Pai,

Infinitos Livros

Escritos,

Infinitas Histórias

Narradas,

Infinitas Verdades

Afirmadas,

Infinitos Fatos

Confirmados,

O Vampirismo

Infinito

Realizado

Na Onipresença,

Na Onipotência

E Na Onisciência

Da Vampírica

Consciência Cósmica

Narradora Tumular

Dos Livros Que Ainda

Escritos Estão

Sendo.

Na Sombra,

Na Cósmica Ponte

Das Sombras,

No Cósmico Vale

Das Sombras,

Na Cósmica Montanha

Das Sombras,

Na Cósmica Floresta

Das Sombras,

No Cósmico Rio

Das Sombras,

No Cósmico Lago

Das Sombras,

No Cósmico Oceano

Das Sombras,

Eis O Nosso Pai,

Escrevendo

Escrevendo

Escrevendo

No Rosto Dele

A Nossa Infinita

Imortal História!

O Abismo

Ao Kosmos Abre-Se,

Nosso Pai

Escreve

No Rosto Dele

Cada Linha

Da Vampírica História,

Escribas Do Sangue

Acompanham-No

De Frontes Abaixadas

Em Sinal De Respeito,

Nós,

Vampiros,

Mortais,

Abaixamos Nossas Frontes

Em Sinal Do Mesmo

Respeito

Ao Nosso Pai Que Está

Nos Horizontes Abismais!

O Abismo

Se Abre Ao Um,

Nosso Pai Toca

Na Unidade,

Nosso Pai

Não Deixa De Ser

Filho Da Unidade,

Ele Escreve A

Nossa História,

Mortais,

Gerando A Tinta

Feita De Sangue

A Escrever No

Rosto Dele

A Partir Do Sangue

Ainda Latente

Nos Campos De Batalhas

E Nos Rituais De Sangue

E Nos Atos De Violência

E Nos Atos De Amor

E Nos Nascimentos

De Vossas Crianças

Que Sangrarão

E Farão Sangrar

Um Irmão Mortal!

Isto Não É

Um Conto,

Mortais!

Nosso Pai

No Abismo

E Também

Dentro De Nós,

Vampiros Todos

Historicamente

Reais,

Não É Uma Mentira

De Um Dos Contos

Narrados Por Vós!

Não Estamos

Em Vossas Vidas

De Mentiras

Contadas

A Vós Mesmos,

Mortais,

Não Estamos

Na Mentira

Historicamente

Comprovada

E Afirmada

Que Vós Chamais

De Vida.

Não Estamos

Estimulados A Nos

Tornarmos

Falsos Sobreviventes

De Uma Falsa

História

Como Vós,

Mortais,

Sempre Fadados

Ao Letal Último

Cadafalso

Do Grande Texto

Existencial.

Nada De Cadafalsos

Em Nossos

Silenciosos Passos

E Silenciosos Nadas.

Caminhamos,

Mortais,

Nós,

Os Vampiros Reais,

Na Noturna Estrada

Das Paternais Sombras

De Nosso Pai,

Das Maternais Sombras

De Nossas Mães,

As Três Senhoras

Eternas Amantes

Do Senhor

De Todos Nós.

Nadamos,

Mortais,

Nós,

Os Vampiros Reais,

No Noturno Oceano

Das Protetoras Sombras

Das Nossas

Máscaras,

Das Nove

Espadas,

Vencendo As Guerras

Nas Terras Sagradas

De Rotas

Vivas E Mortas.

E Os Nossos

Reais Contos

De Terror,

De Horror

E De Amor,

Sim,

De Puro Amor,

Mortais,

Não São Filmes

De Crepusculares Mordidas

Medíocres

E Irreais.









Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: