sábado, 27 de fevereiro de 2010

Quando Eu Estiver Perto De Morrer, Noturna Desgraçada Diaba


Quando Eu Estiver Perto De Morrer,

Noturna Desgraçada Diaba,

o Fogo Infernal

vai se abrir,

advirá do

Reino Inferior

De Myhalmyr

uma turba de

amigos e inimigos

todos meus,

feitos nas

Esquecidas Eras

De Dor

E De Breu.


Quando Eu Estiver Perto De Morrer,

Noturna Desgraçada Diaba,

haverá uma confusão

entre Aqueles

Inomináveis

Das Luzes

e

Aqueles Inomináveis

Das Trevas:

com quem ficará

minha eterna alma?;

para onde irei

nas Luzes?;

para onde irei

nas Trevas?;

ou no Limbo

permanecerei,

longe,

mui longe,

das duas

Inomináveis Tribos

nas quais sou

Mago,

Feiticeiro,

Mentor

e Rei?


Quando Eu Estiver Perto De Morrer,

Noturna Desgraçada Diaba,

lerão mil

Inomináveis Livros,

escritos com o meu

sangue

e com o sangue

que suguei

de minha

Serpente Mulher,

diante de meu

futuro cadáver,

o qual ficará deitado

perto do

Altar Das Encruzilhadas

Terrestres,

tendo em redor

Lilith,

Babalon

Hecate

e Maria Padilha;

Obaluaye,

Omulu,

Tata Caveira

e Exu Caveira;

Lúcifer,

Satan

e O Diabo;

O Dragão Negro

Coroado Com

As Pétalas Da Flor

De Meu Morrer;

As Amadas

Noturnas

Inomináveis

como Tu,

Amada,

Desgraçada,

Diaba.


Quando Eu Estiver Perto De Morrer,

Noturna Desgraçada Diaba,

haverá cantoria,

A Inominável Orquestra

Das Luzes

E Das Trevas

entoará

A Sinfonia

Do Coveiro Inominável

Giovani Coelho de Souza,

meus inimigos

ficarão com inveja,

serei louvado

nas Luzes

e nas Trevas,

terei vitórias

sobre todos

que me desprezaram,

terei vitórias

sobre todos

que me abandonaram,

terei vitórias

sobre todos

que me humilharam,

não serei

uma quimera,

não serei

um “que merda!”,

serei um

Espírito melhor

lá no Astral,

andando

para lá,

andando

para cá,

seduzindo

estrelas,

amansando

feras,

abraçando

punhais,

beijando

terras.


Quando Eu Estiver Perto De Morrer,

Noturna Desgraçada Diaba,

terei

Paz,

terei

Guerra,

serei

Feliz,

serei

Bom,

um Bom

Inominável Chupador

De Uma Buceta,

a buceta

de minha

Serpente Mulher,

que divide comigo

agora,

neste mundo

povoado,

a cama,

e que dividirá

comigo ainda,

lá no

Grande Deserto,

quando for

a nossa

Serpentina Hora,

a cama com

Nossa Senhora Lilith,

Aquela Que

Pela Grande Noite

Chupa A Tua

Buceta,

Desgraçada,

Diaba.


Quando Eu Estiver Perto De Morrer,

Noturna Desgraçada Diaba,

quero Ver

como vou morrer,

se esfaqueado,

se baleado,

se atropelado,

se linchado

ou tranquilamente

em uma cama

de um hospital público

caindo aos pedaços,

assim como te Vi

morrer

aos meus pés

quando lutamos

um contra o outro

na Oitava Cruzada

da cristandade

de vala.


Inominável Ser

MUITO LONGE

DE MORRER

PARA O VISÍVEL

DESTE MUNDO

DE NADA








Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: