sábado, 24 de abril de 2010

Ácida Disritmia D'Alma Perturbada


A gravidade em demasia vai tornando meus membros muito pesados,já não estou regendo a sinfonia de meus ossos rasos...

Você já esteve assim tão quebrado?

Não nego a rachadura tramando contra minha estrutura, há um monstro aqui detendo-me nos passos...

Você já esteve assim tão inerte?

Piedade, Senhor Dos Desgraçados, Senhora Dos Miseráveis, Princesa Dos Desesperados, Rei Dos Amargurados, piedade de mim!

Você já pediu piedade a algum Senhor ou Senhora Elevados?

O leite acabou, o pão acabou, a manteiga acabou, mas eu comeria o mundo todo agora se pudesse!

Você já teve assim tanta fome?

Comeria minha Serpentina Mulher agora, chuparia a buceta deliciosa dela, eu a pediria para esfregar o cu na minha cara, se aqui ela estivesse...

Você já teve assim este tipo de fome?

Garganta seca, quero água, prefiro morrer de sede, nem sei mais o que querer neste tumulto de falso viver...

Você já esteve assim tão falsamente vivo?

Meu caralho está vazio, mas o desejo me intimida, vem de novo o que eu falei acima, uma serpente agora me pica...

Você já foi assim picado?

Meu sono correu para a áurea romana época, sou Julio César, sou Marco Antônio, metendo em Cléopatra...

Você já sonhou com Cléopatra?

Sucesso em fazer-me alegre não consigo, eu não tenho mais sorriso, eu quero o colo da minha mãe, sou um menino ferido...

Você já quis assim a sua mãe?

Gigante retardado, realmente refratário, sou um fracassado, argumento de poeta, afetividade de rato...

Você já sentiu esse tipo de afeto?

Elimino as pulgas, eu como as baratas, eu cago vidro, eu mijo sangue, gosto do vermelho caindo n'água da privada...

Você já mijou assim?

Espectro me torno, entorno o caldo da sopa de veneno, minto para mim mesmo, engano ao empresário de meus medos...

Você já se enganou assim?

Sonhos em diários, pesadelos em cadernos, ruídos de poucas esperanças nos teclados e na tela deste computador...

Você já teve esperanças assim?

Batucada de uma festa terminada, urros em lâminas de adagas enferrujadas, murros nas paredes de minha casa...

Você já deu murros assim?

Estou doente... Você também?

Você já esteve doente assim?

Estou doente... Você também?

Você está doente assim?

Estou doente... Você também?

Você estará doente assim?

Estou doente... Você também

Você já confessou isso a ti?

Estou doente... Você também?

Você já falou assim para alguém?

Estou doente... Você também?

Você já se apegou a uma doença?

Estou doente... Você também?

Você já se apaixonou por uma doença?

Estou doente... Você também?

Você já amou a sua doença?

Estou doente... Você também!

Você é um doente.

Estou doente... Você também!

Você, leitor, é um doente.

Estou doente... Você também!

Você, iludido leitor, é um mero doente.

Estou doente... Você também!

Você, voe...

Estou doente... Você também!

Você, tente voar...

Estou doente... Você também!

Você, teime em voar...

Estou doente... Você também!

Você, persista em tentar voar...

Estou doente... Você também!

Você, queira voar...

Estou doente... Você também!

Estou doente... Você também!

Você, queira voar...

Estou doente... Você também!

Estou doente... Você também!

Você, queira voar...

Estou doente... Você também!

Você, queira voar...

Estou doente... Você também!

Você, queira voar...

Estou doente... Você também!

E remédios não vou tomar, prefiro esta doença glamourosa, toda louvando a minha falha, a minha falta de glórias...

Doente doente doente...

Não, tratamentos não quero, tratamentos quebram, tratamentos falham, tratamentos são perda de tempo...

A doença é minha amiga...

Não tenho norte, bem como não tenho sul, leste, oeste, centro, dentro, peste, Letes, sudeste, morte...

Minha morte nunca vem...

Peço para morrer, não sou ouvido nem pelo Anjo Do Meio-Dia, nem pelo Demônio Do Meio-Dia, nem pelo Anjo Da Meia-Noite, nem pelo Demônio Da Meia-Noite...

Não sou ouvido nem por Aquele Lá...

Peço, clamo, rogo, oro, todo dia, toda noite, sempre de dia, sempre de noite, de momento a momento, de remendo em remendo...

Você está remendado assim?

Não sei mais o que fazer para tudo isto acabar, nem para me matar coragem eu possuo em meu Ser...

Você tem uma coragem assim?


Inominável Ser

NA DISRITMIA

DE SEU SER








Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: