terça-feira, 27 de julho de 2010

.........




A Fatalista dançando,

os crânios sorridentes

sussurrando...

Estou ouvindo

sussurros de crânios...

Estou ouvindo

os sussurros

daqueles crânios...

Estou sendo ouvinte,

permanente,

das melódicas lamentações

daqueles crânios

dançando...

A Fatalista anuncia

a todos sua chegada,

é a Deusa Morte

em pele de

desejável mulher

mortalmente dançante,

atingindo-nos com passos

que estremecem os pilares

mais ocultados

de nossas almas

e mentes...

Ah,

Fatalista!

Ó,

Fatalista!

Oh,

Fatalista!

Jogue em meu Ser

esses crânios,

crânios que me

dizem:

MORRA

LOGO,

INOMINÁVEL

SER!!!

Jogue,

jogue,

jogue esses crânios

em Suas mãos,

crânios que me

dizem:

MORRA,

DESGRAÇADO

INOMINÁVEL

SER!!!

Jogue,

jogue logo,

jogue logo esses

crânios,

crânios que me

dizem:

MORRA,

INOMINÁVEL

SER,

MORRA

MORRA

MORRA

MORRA

MORRA

MORRA

MORRA

MORRA

MORRA

MORRA!!!

No entanto,

Fatalista,

Você sorri,

Você gargalha,

indo dançar

longe de mim,

indo jogar

esses crânios

em Suas mãos

noutros Seres,

noutras mentes,

noutras almas...

Eu desejo muito

dançar fora

desta carne,

dançar lá embaixo

no Abismo

onde me aguardam

todos os Deuses,

Vampiros

e Demônios

que se Revelam

dançantes nesta Cova!

Por que,

Fatalista,

ainda não posso ser

um dos

Inomináveis

Dançarinos Abismais?

Triture meu crânio,

Fatalista,

quero ir lá

para o fundo do Abismo

dançar

tendo nas mãos

os crânios de todos

que assassinei

pelas Eras dos mundos

nos quais dancei...

Jogue

Seus crânios...

Jogue...

Em mim...


Inominável Ser

DESEJANDO LOGO

PARAR DE DANÇAR

NESTE MUNDO

DE DANÇAS RUINS








segunda-feira, 26 de julho de 2010

.........


Despejado da alegria,

destacado da orgia

de momentos mágicos

de euforia,

eis-me reduzido à

fortuna dos fracassados,

cheio de remorsos,

cheio de medos,

cheio de ódio...

Mas,

do que adianta,

fracassados humanos,

termos remorsos?

Mas,

do que adianta,

fracassados humanos,

termos medos?

Mas,

do que adianta,

fracassados humanos,

termos ódio?

Tudo vai sendo

pulverizado

por mãos que advogam

pela Causa Caótica,

sei que não pertenço

a panteões de glória,

Sei que meu

Caminho,

à Esquerda,

vai sempre seguindo

a lenta agonia

das putas certezas

que nunca trazem

alívio.

Não sou amigo,

não sou inimigo,

sou indiferente

aos vossos mundinhos,

quero-os longe,

quero sobreviver

neste mundinho ridículo

apenas por sobreviver.

Não aguardo mais nada

do futuro,

não guardo mais nada

para o mau futuro

meu...

Rebentos sangrando

correm por mim,

há ovelhas agonizando

e eu,

lobo semelhante

a leão cansado

e oferecido ao circo

de infinitos horrores

do Horror Existencial,

sangro nesta cova

onde meus ossos

teimam em não se tornar

ínfima

desprezível

particula

de

pó...

de

pó..

de

pó...

de

pó...

de

pó...

de

pó...

de

pó...

de

pó...

de

pó...

de

pó...


Inominável Ser

DESEJANDO

SER

ÍNFIMA

DESPREZÍVEL

PARTÍCULA

DE








domingo, 25 de julho de 2010

.........


Os sonhos mais belos

são como mulheres nuas

adormecidas

sedentas de desejos

por uma doce pica

de um gostoso estuprador

ou a doce buceta

de uma vadia de rua.

São sonhos

onde pecados

nem são classificados,

sonhos retirados

de lugares onde

permanecem apenas

os que estão

totalmente brutalizados.

São sonhos

perdidos no Tempo/Espaço,

em mundos há muito

fora da Luz,

mundos pertencentes

à Total Escuridão Mãe

Das Brutais Formas.

São sonhos

pertencentes a todos

que atravessam

O Abismo

com os olhos perfurados,

cientes do sangue caindo

ao solo

e sendo bebido

pelos Vampiros Bestiais

acorrentados nas árvores

das Estradas Abismais.

São sonhos

produtores de encantos

nas mentes dos

Arautos Do Abismo:

pintores,

escultores,

poetas,

escritores,

cineastas,

cientistas,

filósofos

e todos que atestam

O Poder Das Trevas

Abismais

no que falam,

no que escrevem,

no que pensam,

no que fazem,

no que são.

São sonhos

nos quais as

mulheres nuas

acordam abraçadas

a assassinas espadas

que transpassam

os corações

daqueles atestados

pelo Abismo

na Terra.

Em um desses sonhos

uma mulher nua

assim me assassinou,

sorridente,

lânguida,

maliciosa,

meiga...

Acordei daquele sonho

determinado a

assassinar todos

os meus sonhos.

Pesadelos,

agora,

são a minha

preferência.

Pesadelos,

no Abismo,

a minha

referência.

Pesadelos

com a leveza,

para mim,

dos sonhos mais

suaves

em negras mesas

povoadas de corações

que as

Assassinas Abismais

dão como alimento

aos que,

como eu,

atravessam O Abismo

com os olhos

e os corações

perfurados.

Pesadelos

e

A Travessia

Do Abismo:

minha conferência

com O Lado Sombrio

Da Alma Universal.


Inominável Ser

NO SONHO

DE SEU

ABISMAL PESADELO

UNIVERSAL








sábado, 24 de julho de 2010

.........


Feto monstruoso,

resto de esgoto,

rastro de pântano

venenoso,

escotilha que dá lugar

ao Rio Desgraçado

Das Desgraçadas Almas

Dos Umbrais

Dos Mundos.

Feto insano,

Espírito Aniquilado,

Espírito Arruinado,

Espírito Arrombado,

expulso dos

Abismos,

expulso dos

Céus,

ciente de que será

Eterno Réu

diante do

Tribunal Das Feras

Dos Planos Astrais

Universais.

Feto ideal,

ideal para ser

pisoteado,

ideal para ser

abortado,

ideal para ser

lançado

do alto do

Precipício Do Reino

Dos Destruidores

Princípios

direto ao fundo

do Oceano Da Loucura

Das Não-Formas

Existenciais.

Feto que se desenvolve,

uma falha,

uma desgraça,

uma terrível e temível

ameaça inacabada!

Feto que nasce,

bípede,

racional,

irracional,

falante,

reprodutor!

Feto que

a Ciência Das Eras

denomina em seus

Grandes Livros

Escritos Diante

Dos Pais Das Esferas

como

O Causador Dos Fins

Dos Mundos!

Feto que

se chama

Ser Humano!

E qual outro

feto,

de qual outra

Raça Da Criação,

seria tão

indesejável,

indecente

e desprezível

como ser vivente?


Inominável Ser

INDESEJÁVEL

INDECENTE

DESPREZÍVEL








sexta-feira, 23 de julho de 2010

.........


Encarnando motivos

que desafiam o logicismo

de mundinhos prontos

para a mesmice do medo

de serem desfeitos,

realizo desafios

ao equilíbrio

e à sanidade

de vossas realidades

tão realizadas.

O que possuem

de tão bom?

O que possuem

de tão elevado?

O que possuem

de tão rico?

O que possuem

de tão válido?

Carros, motos,

caminhões, cavalos?

Mulheres, homens,

filhos, netos,

bisnetos, tataranetos?

Bilhões de reais,

Bilhões de dólares,

Bilhões de euros?

Emprego,

desemprego,

mesa farta,

mesa vazia?

Felicidade, alegria,

tristeza, angústia,

dor, solidão?

Por que tanta questão

de se fazer

possuidor de algo

que atesta a incapacidade

de questionar

o porquê de ter algo?

Se vocês assim são,

são fracos,

são perdedores,

são retalhos,

atos falhos.

Explodam a cabeça

com a bala de um

revólver caro

ou comprado

de qualquer bandidinho

do caralho,

já que para

serem

Verdadeiros Seres

não há em vocês

a falta de equilíbrio

e de sanidade

necessários.

Vocês são menos

do que lixo.

Vocês são menos

do que os ratos.

E isto está vindo

de alguém

que é

um lixo,

que é

um rato.

Lixo

em desequilíbrio.

Rato

enlouquecendo

cada vez mais.

E

Verdadeiramente Sendo,

o que é

fundamental.


Inominável Ser

VERDADEIRO SER

QUE SE ASSUME

VERDADEIRO LIXO

VERDADEIRO RATO