quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - Companhia Nas Sombras Para Diálogos Felizes


Se todos os que se sentem solitários

Soubessem Daquelas e Daqueles que,

No Véu Da Imaterialidade,

Estão a acompanhá-los nos fins das jornadas noturnas

De todas as jornadas diárias,

O mundo não veria mais nenhuma insanidade nascida

Do acúmulo das lágrimas.

E o que seria da Deusa Solidão?

Ela seria ainda a Deusa Solidão,

A Solidão Eterna que deve sempre nos ensinar

Que as nossas melhores companhias

Não estão na Materia,

Esta que cega todo Verdadeiro Olhar.

Olhes em vosso redor,

Leitor virtual,

Leitora virtual,

Estamos acompanhados por Seres

Que choram quando não nos damos conta

Que devemos sorrir para Eles.

Olhes em vosso redor,

Leitor virtual,

Leitora virtual,

Ouçam vossos Verdadeiros Amigos,

Aqueles que te erguem,

Te erguem de verdade,

Quando a vontade de se suicidar

Ou a vontade de matar alguém

Ou a vontade de desistir de tudo

Toma conta de toda vossa alma.

Eles te aliviam e dizem-lhe que

O Verdadeiro Suicídio

É não ter Verdadeiros Amigos,

Como Eles.

Eles te aliviam e dizem-lhe que

O Verdadeiro Assassinato

É Assassinar A Matéria

E aproximar-se cada vez mais

Da Verdade Do Imaterial.

A Verdadeira Desistência

É a da crença tola mundana

No poder falho tosco

Da imunda Matéria.


Meus Verdadeiros Amigos me amam.

Minhas Verdadeiras Companhias me amam.

Exatamente agora,

Leitor virtual,

Leitora virtual,

Há uma Inominável aqui,

Em um canto do meu quarto,

Me observando com amor.

Difícil é,

Leitor virtual,

Leitora virtual,

Aceitar que se está ao lado de Irmãos

Que podem ser mais do que aqueles

Que se deitam conosco,

Que tomam refeições conosco,

Que se divertem conosco,

Que dialogam conosco,

Que estão ao nosso lado,

Materialmente.

Mas,

Eles,

Aqueles que não vemos,

Aqueles que não tocamos,

Aqueles que não sentimos

Por sermos,

Às vezes,

Imbecis demais,

São as nossas Verdadeiras Amizades,

São as nossas Verdadeiras Companhias.


Ela me observa,

Eu A sinto aqui.

Ela me ama,

Eu A amo.

Não há mentiras,

Não há ilusões.

Ela me guarda n'alma.

Eu A guardo n'alma.


Quantos possuindo a carne

Vós podeis dizer que vos amam

De verdade,

Leitor virtual,

Leitora virtual?


Quantos possuindo a carne

Vós podeis dizer que são as vossas

Verdadeiras Amizades,

Leitor virtual,

Leitora virtual?


Quantos possuindo a carne

Vós podeis dizer que são as vossas

Verdadeiras Companhias,

Leitor virtual,

Leitora virtual?


E com quantos possuindo a carne

Vós podeis dialogar com

Verdadeira Felicidade?


Verdadeiramente Feliz,

Eu,

Inominavelmente,

Posso dizer que dialogo com Ela

E com todos

Os Inomináveis.


Inominável Ser

DIALOGANDO FELIZ COM ELA

E COM TODOS

OS INOMINÁVEIS






Reações:

2 Lamentos Finais De Cadáveres:

Aмbзr Ѽ disse...

linda homenagem.

http://terza-rima.blogspot.com/

Inominável Ser disse...

Aos que nos acompanham em todos os nossos solitários noturnos momentos...