segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - Aguardando A Vinda Dos Grandes Presentes


Os Grandes Presentes Ela Aguarda

Tornando o cinza ao tom do marrom

Tornando o negro ao tom do vermelho

Retirando de todas as cores

Sempre o mesmo danoso frescor

Que apenas delas pode-se ter noção

Se envolto todo nas Trevas


Os Grande Presentes Ela Aguarda

Fazendo de seus pensamentos trevosos

Os meus pensamentos iluminados

Ditando o ritmo das sombras

Destes versos de versos de versos

Que também aguardam

Os Grandes Presentes


Os Grandes Presentes Ela Aguarda

A sua imobilidade férrea

Torna-se a minha mobilidade dourada

Sete versos rimamos em conjunto

Uma poesia silenciosa cujos versos

Apenas ouvidos pelos Assombrosos

São captados


Os Grandes Presentes Ela Aguarda

Sonhando com os meus pesadelos

Que lhe são deleites de fim de noite

Que se aconchega aos pés de multidões

De cemitérios amontoados

Ao sopé de montanhas sangrentas

Após batalhas estranhas


Os Grandes Presentes Ela Aguarda

Com discrição de pequena criatura

Agigantando a minha pequenez

De Abominável Ser que se explode

À medida que os Presentes chegam

Com a velocidade merecida

Da Não-Corrida


Os Grandes Presentes Ela Aguarda

Vendo nos Registros Akásicos

O que eu Vejo agora poético

E me farto de sorrisos abomináveis

Como puros atos de maldade

Que devo pôr sempre à mostra

Na Mesa De Refeição Das Idades


Os Grandes Presentes Ela Aguarda

Vemos Além o que Eles são

Eles sois vós

Todos vós

Leitores virtuais

Com as cabeças decapitadas nas mãos

Após O Dia Do Anticristo Na Noite Do Cristo


Os Grandes Presentes Ela Aguarda

Vemos Algo que nos agrada

Vemos que eu não estou

Com a minha cabeça decapitada nas mãos

Vemos que eu sou

Pela Glória Maior Da Deusa Desgraça

O Anticristo que vos decapitará com graça


Inominável Ser

O ANTICRISTO







Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: