segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - Minimalíssimo Espaço Expansibilíssimo


Minimalismo rimando com

Reducionismo

No expandidíssimo círculo expresso

Rodacionante

Nas curvas expressivas do

Abarrotante

Tecer caríssimo das lojas

Longínquas

De percalços descalços

Desfalecidíssimos

Fazendo da minha dama ali presa

Inspirativamente

Na tensão dos momentos

Atemporalizantes

Uma criaturinha toda

Enervante

Sedutoramente aliciante

Dadivosamente

Das mínimas coisinhas possíveis

Aspergindo

No risco do lábaro

Escondidíssimo

No painel dos recados

Dificílimos


Nos remendos deste meu

Filosofismo

Substituo o pedaço pendente

Rasgadíssimo

Do pretendente a

Espertíssimo

Senhor sem dentes

Benevolentes

Que se espreita entre nós

Rasteiramente

Tentando maximizar a

Minimalizante

Receita de sucesso

Eficientíssima

De casais

Inominabilíssimos

Como nós

Perdidíssimos

Neste encontro apequenado

Riquíssimo

Em estado hermético

Pequeníssimo


Ficamos assim sem

Marxismos

Fixamos assim novo

Larvismo

Fixamos assim estupendo

Baratismo

Fomos adiantados ao

Saculejante

Esforço dos mutantes

Respeitabilíssimos

Momentos de ouro

Perpendicularmente

Encontrável no chão

Asperamente

Toldado de colchão

Suntuosamente

Animado de

Insocialismos

Da nossa insociável

Multifilosofia

De seres aprendendo

Monotonias

Que sirvam melhor aos

Corporativismos

De nossa relação em

Minimalíssimo

Espaço


Regulando o

Angulismo

Regulando o

Matematismo

Regulando o

Gramatical

Somos usuários de uma

Complicadíssima

Linguagem minimalizante

Aloucadamente

Esperançosa de antes do

Esporádico

Romper torovejante

Minimalístico

Da rua de baixo na descida

Exportadora

De livros sem capas

Durabílissimas

Que vós podeis ler

Adorabilíssimos

Em vossos colchões

Esquentadíssimos


Em outras palavras

Humaníssimas

Palavras mais decifráveis

Popularmente

Digo nesta mensagem

Versalmente

Que eu e a Inominável

Encaixados

Em um minimalíssimo espaço

Expansiiílíssimo

Situamos nosso casinho

Retangularmente

Na caixinha dos anos

Perdoantes

Dos demais anos anteriores

Decadentíssimos

Nas caminhadas canalhas

Nietzscheanamente

Além-de-nós-dois-aqui-juntos

Verlaineanamente


Não entendestes

Leitor virtualíssimo?


Não entendestes

Leitora virtualíssima?


Retornes para a vossa primeira

Professorinha


Somos esnobes

Raríssimos

Desobrigados de darmos a vós

Aulinhas


Inominável

MINIMALÍSSIMO

EXPANSIBILÍSSIMO

ENCAIXOTADO COM ELA

MINIMALÍSSIMA

EXPANSIBILÍSSIMA







Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: