domingo, 7 de novembro de 2010

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - A Do Belo Rosto No Cinzento Ser Das Coisas


Tarde dominical em mundo cinzento

E as tristezas de todos os meus cinzentos

Momentos de humano adoentado sempre

Se erguem como muitas cores estranhas

Muito abaixo do cinzento...

A cinza é sacana,

Vai me fazendo lembrar daquelas

Megeras...

Não,

Cinzas,

Vós não podeis me lembrar

Do que não existe no largo lar

Dos meus mistérios passados

E nem pode mais me fazer chorar.

Sei que sou cinzento,

Sei que Os Cinzentos

Me vêem como um Irmão,

Mas agora,

Como em todas as tardes dominicais,

Tardes cinzentas,

Tardes demasiado cinzentas,

Tardes doentes cinzentas,

Eu tenho a companhia Dela,

A Do Belo Rosto.

Ela recolhe as cinzas minhas,

Vai recolhendo-as em minha

Cova Cinzenta,

Eu fico aliviado porque Ela faz isso

Sem ter de mim qualquer pena.

Ela sorri,

A Do Belo Rosto sorri,

As cinzas também se alegram,

Eu um pouco me alegro,

Com lágrimas nos olhos,

Com todas as minhas doentes lágrimas

Nos olhos.

Em todas as tardes dominicais

Ela está a sorrir para mim,

A Do Belo Rosto a sorrir para mim,

Não me negando os Seus

Belos Beijos Cinzentos,

Não me negando os Seus

Belos Abraços Cinzentos,

Não me negando os Seus

Belos Carinhos Cinzentos.

Cinzenta,

A Do Belo Rosto É Cinzenta,

A Do Belo Rosto me compreende,

Não posso abandoná-la,

Nem Ela pode me abandonar,

Nem todas Elas podem

Me abandonar no Cinza Existencial

Da Terra.

A Do Belo Rosto deita na Cova,

A Do Belo Rosto deita-se entre

Todas as cinzas de minha

Cova Cinzenta...

Eu me deito abraçado a Ela...

Juntamos os nossos rostos...

Neste momento,

As tardes dominicais tornam-se

Belas,

Meu rosto é Belo Rosto,

O Rosto Dela É Mais Belo Rosto...

Sou Belo Coveiro nas tardes dominicais

Abraçado com

A Do Belo Rosto

Nas cinzas de minha Cova Cinzenta...

Aproveito toda tarde de domingo

A Bela Magia,

Pois toda segunda-feira

A Beleza Cinzenta Dela Adormece

E eu tenho que me conformar

Com A Feiúra Cinzenta Das Ruas...

Nas tardes dominicais,

Porém,

A Do Belo Rosto Desperta

E traz-me um pouco

De Sua Beleza Cinzenta

Para a minha feiúra cinzenta

De Não-Belo Coveiro

No Cinzento Ser Das Coisas...


Inominável Ser

SENDO BELO EM SUA

COVA CINZENTA







Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: