quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - Rebeldia Ditando A Verdadeira Ordem


Não somos personagens de novelas


Não somos ficções baratas de mentiras


Não somos ficções em nada


Não somos rebeldes por vossa causa


Sim

Acomodado

Acomodada

Nós não somos rebeldes

Por vossa causa

Somos rebeldes pela causa

De um mundo melhor


Não somos de novelas

Nossas existências são tragédias

Nossas insistências são guerras

Não esperem de nós

Palavras doces

Não esperem de nós

Palavras amorosas

Não esperem de nós

Palavras delicadas


Somos as Imãs

Somos as Amantes

Deste bardo inominável aqui

Que se esfacela

Que se dilacera

Que se esfaqueia

Que se mata

A cada verso

A cada não-verso

A cada instante de seu

Regresso Ao Inominável


Somos Aquelas

Que aqui se apresentam

As Inomináveis

As Musas Inomináveis

Coroadas com vontades guerreiras

Que dariam inveja a Aquiles

Que dariam inveja a Hércules

Sem sermos violentas

Sem sermos sanguinárias

Sem sermos otárias

A ponto de agirmos neste

Bardo inominável aqui

Como bestas

Como feras


Na Noite

Na Grande Noite

Somos As Adultas Perfeitas

Vingamos As Mortes Dos

Verdadeiros Astros

Vingamos A Sorte Dos Pagões

Na Inquisição Incinerados

Dançamos Em Redor

Dos Círculos Virginais Terrestres

Assopramos nos ouvidos

Daqueles que podem nos ouvir

As Verdades Noturnos Inomináveis


Rebeldia É A Criação

A Criação Cresce Através

De Atos De Rebeldia

Toda Rebeldia É Poder Alcançado

Toda Rebeldia É Sede Saciado

Toda Rebeldia É Fome Extinta

Toda Rebeldia É Doença Curada

Toda Rebeldia É Ser Novo


Acomodados

Acomodadas

Por que aí em segurança

Vós aceitais a decadência terrestre

Ao invés de rebelar-se

E cortar as tuas ligações

Com os Deuses Decadentes

Representados pelo

Dinheiro

Representados pelo

Desamor

Representados pela

Exploração

Representados pelos

Preconceitos

Representados pelos

Assassinatos

Representados pelos

Roubos

Representados pelos

Estupros

Representados pelos

Desgraçados miseráveis homens

Que estão ao comando

Da desgraçada miserável

Política?


Por que não rebelar-se

Contra um mundo decadente

Assim?


Por que não rebelar-se

Contra a vossa infelicidade

Assim?


Por que não rebelar-se

Contra a vossa inferioridade

Diante da falsa superioridade

Dos monstros que coordenam

Todos os seus passos

Todos os passos do mundo

Alienando-te

Enganando-te

Sufocando-te

Cegando-te

Assim?


Não precisas ser Inominável

Para rebelar-te

Acomodado

Acomodada

Que está aí lendo os versos

Que nascem nesta rebelde madrugada

De rebeldia inominável


Precisas ser apenas rebelde

Queimar toda bandeira

Erguer esta bandeira:


A BANDEIRA DA TUA VERDADEIRA ALMA

A BANDEIRA DO TEU VERDADEIRO SER

A BANDEIRA DO TEU VERDADEIRO EU


Não te ensinaremos a fazeres isso

Seu acomodado


Não te ensinaremos a fazeres isso

Sua acomodada


Rebelem-se

Apenas

E cuspam em todas as bandeiras

Que são estrangeiras

Em vossas Almas Eternas

Em vossos Seres

Em vosso Eus


Rebelem-se

Por um mundo melhor


Ou

Se preferirem

Fiquem aí mesmo

Alienados

Acomodados

Mornos

Insossos

Enquanto os monstros vencem

E o vosso amanhã fica mais

Decadente

Decadente

Decadente


Eis a escolha única:


REBELDE SER

OU

DECADENTE SER?



Inominável Ser

REBELDE

SER

INOMINÁVEL






Reações:

2 Lamentos Finais De Cadáveres:

Valter Montani disse...

um brinde com sangue
à libertação das almas
a soltura das amarras
liberação das masmorras.

Inominável Ser disse...

Em toda essência
toda sutileza
toda verdade
das noturnas sombras
mui amáveis