quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - Os Sonhos Da Noturna Selvagem Liberdade


Quando a solidão emerge

da imensa profundeza

de meu abismo particular,

acendo um cigarro mental

e fico a tragar pensamentos

que denunciam a minha falta

de atenção

para com o resto do mundo.

Foda-se se estão matando

agora.

Foda-se se estão estuprando

agora.

Foda-se se estão sequestrando

agora.

Foda-se se estão cheirando

agora.

Foda-se se houve um acidente

de carro.

Foda-se se houve um acidente

de trem.

Foda-se se houve um acidente

de ônibus.

Foda-se se houve um acidente

de avião.

Foda-se você,

minha irmã.

Foda-se você,

meu irmão.

Foda-se você,

Satan.

Foda-se você,

Deus.


Que se foda o mundo,

mas,

eu estou no mundo,

eu sou parte deste mundo,

uma parte mínima,

e tudo,

caralho caralho caralho,

me afeta,

me fere,

me perturba,

me instiga...

Me instiga a ter sonhos

os mais selvagens,

sonhos nas florestas

da noturna liberdade,

sonhos nos quais posso

cuspir na sua cara

ou cortar a sua garganta,

sua vagabunda de merda,

seu vagabundo de merda,

seus leitores desgraçados

de merda...

Sonhos que Ela conduz,

sonhos nos quais Ela,

A Inominável Selvagem Sonhadora,

domina a velocidade

das estocadas que dou

em todos que encontro

pelas estradas dominadas pelo

Éter...

Sonhos selvagens,

os mais selvagens dos sonhos,

nos quais tenho o domínio

e o predomínio

da minha Besta,

nos quais eu sou

A Besta,

cortando,

rasgando,

possuindo,

dilacerando,

corrompendo,

rompendo rompendo rompendo

os grilhões das boas maneiras

e da sanidade,

irrompendo pelas vielas

do assassínio,

da prostituição,

do terror

e da mais pura maldade!


Sou assim nos meus sonhos

mais selvagens,

desgraçados leitores,

neles eu dou a cada um de vocês

um cabo de vassoura

no meio do cu,

uma navalha cortando

todas as partes da buceta,

uma faca realizando uma obra de arte

em tetas,

uma picareta rendendo homenagens

a picas,

um punhal dançando

em gargantas,

uma adaga gargalhando

em corações,

uma espada sorrindo

em corações...

Estocadas

Estocadas

Estocadas

Estocadas

Estocadas

Estocadas

Estocadas

Estocadas

Estocadas...

Punhaladas

Punhaladas

Punhaladas

Punhaladas

Punhaladas

Punhaladas

Punhaladas

Punhaladas

Punhaladas...

Picaretadas

Picaretadas

Picaretadas

Picaretadas

Picaretadas

Picaretadas

Picaretadas

Picaretadas

Picaretadas...

Facadas

Facadas

Facadas

Facadas

Facadas

Facadas

Facadas

Facadas

Facadas...

Navalhadas

Navalhadas

Navalhadas

Navalhadas

Navalhadas

Navalhadas

Navalhadas

Navalhadas

Navalhadas...

Enrabadas

Enrabadas

Enrabadas

Enrabadas

Enrabadas

Enrabadas

Enrabadas

Enrabadas

Enrabadas...


A Inominável Selvagem

que nestes sonhos me guia

me deixa bem livre,

tenho a noturna felicidade

que apenas os de minha estirpe

podem possuir nas Sombras

que permeiam os mundos

nos quais escuridões são reinos

em todos os panteões

e aluviões.

Sou nos Inomináveis Panteões

Dos Sonhos

um dos mais selvagens.

Sou nos Inomináveis Aluviões

Dos Sonhos

um dos mais livres.

E ao lado Daquela Inominável Selvagem

que corre ao meu lado

em sonhos de sangue e morte

sou um dos mais

deliciados...


Inominável Ser

EM SELVAGENS

LIVRES SONHOS

Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: