sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - Do Véu Que Não Ilude O Coração




Percebo uma cantora,

uma dançarina,

uma odalisca entre a fumaça

e a nuvem

de amontoados de casas

destruidas

em um terreno por onde

passaram todos os furacões,

tufões, tsunamis e tempestades.

Caiu um raio,

cairam dois raios,

cairam três raios

perto Dela,

que nem se moveu

e manteve Seu Véu

no rosto belo.

Vi tudo aquilo admirado,

caido ao solo ferido

por causa de minha última batalha

na Verdadeira Guerra.

Ela veio cantando,

Ela veio dançando,

Ela veio calada,

em minha direção,

passando por todos os tipos

de calamidades e tragédias,

as Grandes Desgraças

Da Humanidade.

Um cachorro agonizava

à minha esquerda,

um gato moribundo miava

à minha esquerda,

um leopardo desmembrado

estava aos meus pés,

um leão tetraplégico

estava perto de minha cabeça

e um falcão sem asas

às minhas costas.

Aquela Do Véu

chegou perto,

descobriu um pouco

Seu rosto

e eu Vi Verdades

que jamais admitiria

dentro da sanidade

dos bons princípios podres

da Humanidade.

A Verdade Dos Furacões

destruiu minhas

fantasias.

A Verdade Dos Tufões

destroçou meus

sonhos.

A Verdade Dos Tsunamis

afogou meus

medos.

A Verdade Das Tempestades

inundou minha

alma.

O cachorro voltou a latir

e correu alegre

por todo aquele campo

de batalha.

O gato voltou a esperto ser

e saiu a brincar com o cachorro

por todo aquele campo

de batalha.

O leopardo recuperou seus membros

e uniu-se às brincadeiras do cachorro

e do gato

por todo aquele campo

de batalha.

O leão recuperou a mobilidade

e rugindo foi correndo para junto

do cachorro, do gato e do leopardo

por todo aquele campo

de batalha.

O falcão recuperou suas asas

e foi sobrevoar todo o espaço

acima do cachorro, do gato, do leopardo

e do leão

por todo aquele campo

de batalha.

Eu me ergui ressuscitado,

sem fantasias,

sem sonhos,

sem medos,

apenas com a minha alma

Inominável.

Ela foi embora

sem me dizer nada

e dizendo tudo

com o Véu De Verdades

em Seus Olhos.

E me uni ao cachorro, ao gato,

ao leopardo, ao leão e ao falcão

por todo aquele campo

de batalha.


Inominável Ser

UM INOMINÁVEL

ANIMAL

QUE FOI DESPERTADO

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - O Tao Da Inominabilidade


Aqueles Que Conhecem O

Inominável Desconhecido

Não Buscam Demonstrá-Lo

Como Visível Ou Invisível.

Aqueles Que O Conhecem

E Se Calam

São Como Rios Aos Pés

De Todos Os Filhos

Do Inominável.

São Fortes Sem

A Brutalidade Insana

Da Materialidade.

São Destemidos

Através Da Destreza

Das Palavras.

São Amigos

Do Verbo Silencioso

Das Noturnas Alvoradas.


Quem É Um Inominável É

Um Corajoso Que Se Dissipa

No Grande Mar Da Criação.

Não Se Admira Com O Fim

De Uma Correnteza

E Nem Quebra As Correntes

Da Dinâmica Da Grande Vida.

Ele É A Favor Da Existência

E Resisite Pelos Tempos

Acompanhando O Passar Das Eras

Com A Tranquilidade De

Um Sagrado Carvalho

A Crescer Nas Florestas

Das Trevas.

Não Se Debilita E Enfrenta

Como Raio Altivo

A Carga Dos Anti-Raios

Dos Perigos Inocentes

Do Meio Do Caminho.


Nos Inomináveis Não Há Benevolência.

Nos Inomináveis Não Há Malevolência.

Nos Inomináveis Não Há Início.

Nos Inomináveis Não Há Meio.

Nos Inomináveis Não Há Término.

Em Um Inominável Há Apenas

O Curso Mais Orientador Das Águas

Da Vida E Da Morte,

As Correntes De Cima E As Correntes

De Baixo,

Os Nados Acima E Os Nados Abaixo.

Tudo Segue Em Um Inominável

A Onda Que Marcha Para Todos Os Lados

E Sua Voz Rompe Os Grilhões

Do Espaço E Do Tempo Para Chegar

A Todos Aqueles Que Trazem Na Alma

A Assinatura Misteriosa Da Inominabilidade.


Não Há Como Ser Distante

Sendo Um Inominável.

Não Há Como Ser Próximo

Sendo Um Inominável.

Os Rios Secam, As Lagoas Transbordam

E Os Sentimentos Secam-Se À Vista

Do Vagar Irremovível

Dos Silenciosos Passos

De Um Inominável.

Não Fazem Força Os Inomináveis

E São, Mesmo Assim, Tão Fortes

Quanto Toda Força Da Existencialidade.

Não Se Omitem Das Forças Da Vida

Os Inomináveis E, Mesmo Assim Entregues

Às Carnais Chamas Vorazes, São Senhoras

E Senhores De Um Equilíbrio Admirável.

Não Fogem Da Verdadeira Guerra E,

Mesmo Assim, Utilizam O Verbo

Para A Manutenção De Suas Idéias

Na Terra.


Os Inomináveis Cultivam Todas As Culturas.

Os Inomináveis Celebram Todas As Festas.

Os Inomináveis Nada Cultivam.

Os Inomináveis Nada Celebram.

Os Inomináveis Tudo E Nada São.

Os Inomináveis Tudo E Nada Fazem.

Os Inomináveis Tudo E Nada Serão.

Os Inomináveis Tudo E Nada Foram.

Os Inomináveis Tudo E Nada Continuam Sendo.

Os Inomináveis Em Tudo.

Os Inomináveis Em Nada.

Os Inomináveis = Tudo.

Os Inomináveis = Nada.


Aqueles Que Dão Valor Aos Seus Nomes

Nesta Terra

São Cientes De Suas Consciências E Consistências.

Aqueles Que Dão Valor Aos Seus

Verdadeiros Nomes Em Todas As Terras

Estão Dentro Da Grande Consciência

E Da Grande Consistência,

O Tao,

Um Nome Que É Nenhum Nome.

Os Conscientes E Os Consistentes

São Os Inomináveis,

As Profundas Raízes Das Árvores

Do Tao Da Inominabilidade.

Luzes E Trevas São Para Eles Verdades E

Quimeras.


Inominável Ser

O RIO

O RAIO

A RAIZ

O TODO

O NADA

E ALGUMA COISA

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - Consagradora Criatura Das Trevas De Minha Alma


Revelado em mil desertos

a posse minha acerca

dos segredos mais horrendos

dos cemitérios.


Alguém bem longe escava,

encontrando ossadas que

pertenceram a um

feiticeiro amaldiçoado.


Tenho a certeza que

tais ossos foram meus ossos,

meus ossos quando fui um

feiticeiro desgraçado.


Um que abria Abismais Portões

para Nahemah, Moloch e Ctulhu,

um que eu um dia ousei ser, um

feiticeiro miserável.


Quando assim fui em

época bem distante pérfida,

conheci uma Abismal Senhora

De Olhos Pérfidos.


Ela tinha o cheiro

das flores dos cemitérios,

Seu hálito errante emanava

o odor dos cadáveres putrefatos.


Suas negras vestimentas

traziam a Aura Da Escuridão,

sua pele tragava

todo ar em nosso redor.


Sua voz era um raio

fulminando meu coração,

seu olhar era um rio

me afogando em vis sensações.


Seus Rituais estremeciam

os solos de então,

Seus Cânticos ecoavam

no Negro Setentrião.


A Ela obedeciam

Os Antigos,

diante Dela ajoelhavam-se

Os Magos Negros.


Por Ela lutavam

Os Destemidos,

por Ela morriam

Os Draconianos.


Para Ela oravam

Os Serpentinos,

para Ela caminhavam

Os Lupinos.


Nas Noturnas Searas,

Ela vinha como

A Dançarina Errada,

sempre a tudo pisoteava.


Nas Noturnas Serras,

Ela vinha como

A Dançarina Correta,

continuava a tudo pisoteando.


Nas Noturnas Sendas,

Ela vinha como

Nenhuma Dançarina,

tudo então ficava esmagado.


Notei que um dia,

naqueles tempos de feitiços

e as mais torpes bruxarias,

Ela foi embora.


Morri queimada em cristã

fogueira de nada cristãos

homens,

fui uma vítima crucificada.


Renasci mais vezes

no caminho do Inferno,

no caminho do Abismo,

no caminho da Feitiçaria.


Renasci neste corpo

ainda um tanto feiticeiro,

ainda um tanto abismal,

ainda um tanto infernal.


E Quem chega agora?

Quem chega batando

à minha porta?

Quem será que chega?


É Ela,

A Senhora,

A Criatura,

uma amiga do meu passado.


Ela,

uma Sina,

uma Cinza,

uma Inominável.


Inominável Ser

ENFEITIÇADO

POR UMA

FEITICEIRA INOMINÁVEL

CRIATURA

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - Fora De Qualquer Alegre Mundo Idiota


Chega um dia

em que tudo se torna

uma idiotice.

O sol

é uma idiotice.

A lua

é uma idiotice.

O dia

é uma idiotice.

A noite

é uma idiotice.

A manhã

é uma idiotice.

A tarde

é uma idiotice.

O amor

é uma idiotice.

O ódio

é uma idiotice.

A felicidade

é uma idiotice.

A tristeza

é uma idiotice.

A verdade

é uma idiotice.

A mentira

é uma idiotice.

A justiça

é uma idiotice.

A injustiça

é uma idiotice.

A honra

é uma idiotice.

A desonra
é uma idiotice.

A lealdade

é uma idiotice.

A amizade

é uma idiotice.

A inimizade

é uma idiotice.

A festa

é uma idiotice.

O enterro

é uma idiotice.

A cremação

é uma idiotice.

A razão

é uma idiotice.

A ignorância

é uma idiotice.

O conhecimento

é uma idiotice.

A sabedoria

é uma idiotice.

A ambição

é uma idiotice.

A falta de ambição

é uma idiotice.

A foda

é uma idiotice.

A castidade

é uma idiotice.

A devassidão

é uma idiotice.

A virgindade

é uma idiotice.

A beleza

é uma idiotice.

A feiúra

é uma idiotice.

A certeza

é uma idiotice.

A incerteza

é uma idiotice.

As palavras

são uma idiotice.

O silêncio

é uma idiotice.

O barulho

é uma idiotice.

A Política

é uma idiotice.

A Anarquia

é uma idiotice.

A Filosofia

é uma idiotice.

A Poesia

é uma idiotice.

A Literatura

é uma idiotice.

As Ciências

são idiotices.

O Direito

é uma idiotice.

A Educação

é uma idiotice.

A Música

é uma idiotice.

A Mídia

é uma idiotice.

O Jornalismo

é uma idiotice.

As Faculdades

são idiotices.

As Universidades

são idiotices.

As Escolas

são idiotices.

Os Esportes

são idiotices.

O Exército

é uma idiotice.

A Marinha

é uma idiotice.

A Aeronáutica

é uma idiotice.

A Polícia

é uma idiotice.

Os Bombeiros

são uma idiotice.

O Crime

é uma idiotice.

A Caridade

é uma idiotice.

A Religião

é uma idiotice.

A Fé

é uma idiotice.

As Igrejas

são idiotices.

Os Templos Religiosos todos

são idiotices.

Espíritos

são idiotices.

Anjos

são idiotices.

Demônios

são idiotices.

Arcanjos

são idiotices.

Arquidemônios

são idiotices.

Deus

é uma idiotice.

Satan

é uma idiotice.

Eu

sou uma idiotice.

Você

é uma idiotice.

E

A Inominável Idiota,

A Idiotice

Onsiciente,

Onipresente

E Onipotente,

em Sua Eterna

Idiotice,

nos coloca

em nosso verdadeiro

lugar de direito:

incalculavelmente

bem abaixo

de todo e qualquer

animal da Terra.


Inominável Ser

UM POETA

INOMINAVELMENTE

IDIOTA