domingo, 7 de julho de 2013

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - A Madrugada Trazendo Navalhas





Nesta madrugada
fria e tenebrosa,
eu ouço um bramido
e o som de
pequenos sinos
anunciando
a Sua chegada.
Não lamento mais
a minha cova
por ser fria,
eu amo o frio
e todas as coisas
que o frio possui
de bom.
O melhor do frio
é a sabedoria,
uma dádiva
que chega
para todos aqueles
que encontram repouso
em grandes mergulhos
pelas madrugadas.
O frio desta madrugada,
minha querida
amiga amante
das navalhas,
vem anunciando
a Sua chegada.
Há um Anjo Noturno
aqui,
um Anjo permitindo
a Tua entrada
em minha
fria morada.
Os Demônios,
minha querida
amiga das navalhas,
ficam lá fora,
são indigestas
companhias
até mesmo para mim,
um solitário
louco e poeta.
Tu chegastes aqui,
eu Te sinto aqui,
bem aqui perto,
bem aqui,
encostando Sua navalha
em meu nariz...
Encostando,
agora,
outra das Suas navalhas
em meu coração...
Encostando,
agora,
uma terceira navalha
Vossa
em minhas mãos...
Inominável Amiga
Das Navalhas,
diferente de
Maria Navalha,
Tu não és
mentirosa,
enganadora
ou traiçoeira.
Tuas navalhas
cortam,
mas,
cada corte,
maior ou menor,
traz sempre
Verdade,
Acerto
e Amizade.
O mundo está
uma merda
lá fora,
eu sei,
eu muito bem
sei,
sentindo cada corte
como testemunha
e testamento
do inglorioso momento
de caos planetário.
Meu testemunho
é um corte
no status quo.
Meu testamento
é um corte
na sociedade.
Inominável Senhora
Das Navalhas,
sou cortado
todos os dias,
de várias maneiras,
e em todas
as noites,
de várias outras
maneiras...
Muitas navalhas
cortam-me...
Porém,
nenhuma delas
traz a marca
da Sabedoria Eterna
de uma Alta Filha
Da Grande Noite,
a Vossa Sabedoria.
Que poesia-navalha
vem nascendo
através deste
Abismo,
através desta
Cova?
A Poesia-Navalha
Que Corta
O Mundo.
Quem aí,
leitor ou leitora
desta navalha,
não está
cortado ou cortada
agora?

Inominável Ser
SEMPRE
CORTADO
Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: