sábado, 14 de setembro de 2013

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - A Canção Da Corda Quebrada


Carregando nas costas o sangue derramado de mil dragões em Moaggarunama; sentindo-me carregado diante de faces oferecidas ao olhar do Senhor De Todas As Obscuridades em Kaha Barusja Naaann; encarcerado entre as esfinges de Seth, que constrói a Pirâmide Estelar Do Oeste em Avastaha; buscando os Mistérios da Senhora Rubra Da Eternidade em Raxavagrer; tateando nas Trevas Quânticas em buscas das Fórmulas Iniciais em Kalophayr; roubando um beijo de Vampiras Astrais em Malkatuhur Tevayryr; deitando-me com as Lobas De Asharaay; fazendo filhos em Lilith, Nahemah e Baaha em Asheon; e seguindo em meio ao bando de corpos despedaçados  dos Guerreiros De Raha-Lamur-Parauy'lo em Dauspahon, eu me encontro diante da Inominável Árvore Da Cósmica Canção, Fora Do Tempo/Espaço Da Criação. Em seus galhos sem folhas e em seu tronco sem raízes que são Todas As Folhas E Todas As Raízes, encontro uma antiga amiga de tempos passados em mundos que foram banidos das atuais Esferas Galácticas. É uma Irmã Inominável de longa cadência na Obscuridade, detentora da Voz Perdida Antiga E Selvagem, Aquela Mágica Voz Jamais Ouvida Pela Efemeridade Dos Mortais, Aquela Voz Ouvida Apenas Pelos Grandes Imortais. Eu me sento diante da Árvore e acalmo minha alma, Ela vai cantar, mais uma vez Ela cantará, ouçamos a voz Dela cantando, ouçamos, ó, Mortais e Imortais!


Entre As Trevas Do Norte
E As Trevas Do Sul
Recebo O Nome
Do Assombro
Azul!

A Corda Quebrada
Vou Atirar
E O Vento Sagrado
Vou Arrasar!

Me Vingo Do Lorde,
Do Frio E Do Corte,
Da Vida E Da Morte,
Sou Toda Vingar!

Na Corda Quebrada
Jogo Minha Sorte,
Não Tenho Derrota
E Nem Vou Parar!

Prefiro A Sombra
Longe Do Mar,
Sou Filha Gerada
Pelo Sussurro Do Ar!

Em Corda Quebrada
Vou Sustentar
A Asa De HAR
 E O Pé De AHGAR!

Não Lute Comigo
E Nem Venha Aqui,
Pois Quando Eu Sorrio
Eu Posso Esmagar!

Com Corda Quebrada
Tudo É Pó,
Seguro A Corda
E Dou O Nó!

Amarrei ASTRAZU,
TARAMUR,
LOABUR
E JALAR!

Corda Quebrada,
Corda Cravada,
Com Ela Eu Vou
Também Te Amarrar!

E Vou Te Mostrar
O Brilho Do Amor
E Por Fim
Vou Te Enforcar!

Com Uma Corda Quebrada
Aqui Vou Te Pendurar,
De Cabeça Para Baixo
 E Todo Sem Ar!

Enforcado
Enforcada
Enforcado
Enforcada!

O Enforcado
A Enforcada
O Enforcado
A Enforcada!

Enforcado
E Enforcada
Com A Corda Quebrada
Que Ponho A Lutar!


Cantei como Ela esta estranha Canção, fugindo das coisas que me embriagam a razão. Fumei a Cósmica Erva Da Realidade e me deitei para ouvir melhor a Voz Dela e a da Inominável Viola que ela carrega. Pedi ao Inominável que ficasse por lá, ouvindo-A sempre cantar; mas, eu precisava retornar, a este mundo sem Verdadeiras Canções eu precisava retornar...  Então, entregue ao nascer do Negro Sol e ao renascer do Negro Luar, eu me ergui de lá e comecei a retornar, pelo mesmo caminho que me levou até lá. No meio do caminho, em Baas Meutar, Ela me deu uma corda quebrada sorrindo elementar e com ela eu prometo que vou te enforcar, Mortal ouvinte e leitor deste Cantar! 


Corda Quebrada,
Corda De Mel,
Em Teu Pescoço
Eu Vou Enroscar!


Inominável Ser
COM UMA
CORDA QUEBRADA
PARA TE
ENFORCAR


domingo, 8 de setembro de 2013

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - Nas Trevas Inexiste O Arrependimento




Não existem
e insistem
nas Trevas
as Madalenas
Arrependidas,
todos são
culpados,
brutos
culpados,
tortos
culpados.

Não há trégua
para que se
arrependam,
há apenas treva
para que tudo
se compreenda,
treva
terrível,
terra 
temível.

Anti-Vida,
Anti-Morte,
sepulturas,
correntes quebradiças,
ferraduras carbonizadas,
da sentença
não escapa
todo aquele
engolfado
na dura 
e longa
Marcha Das Trevas.

Quem derramou
e bebeu sangue,
sem contar
seus vícios
com heroína,
com cocaína,
com sexo,
não escapa
da Justiceira
Espada
Dos Arcanos
Das Trevas.

Quem vomitou
no Livro Da Vida,
fomentou rebeliões
na Árvore Negra,
alimentou abutres
no Ninho Do Holocausto,
não escapa
das Celestes Mãos
Dos Anjos
Das Trevas.

Aquela ali,
Aquela,
a qual vejo
bebendo da
Taça De
BABALON,
prostituiu 
as próprias 
vidas,
caminhou
profanando
os corações
dos Santificados,
crucificou
crianças nascidas
em berços
cristãos,
decapitou 
os pais
na última 
passagem material
pela Terra,
tornou-se
uma feiticeira,
A Feiticeira
Plantadora
De Desgraças,
sendo Mãe
De Diabos,
sendo Esposa
dos Quatro Reis
Coroados.

Aquela ali,
Aquela,
a qual vejo suja
de sangue,
no Vale Da Sombra
Da Morte,
venerando
a Foice De
Tanatos,
não está
arrependida,
não tem
remorsos,
é uma
Conjugadora
De Misérias,
Propulsora
De Maldições,
Realizadora
De Desgraças.

Aquela ali,
Aquela,
que entrelaça
nas mãos
os cabelos
de todas as
Deusas Das Trevas,
come carvão
com o barro
pisado pelos
Demônios
Senhoriais
Das Penalidades
Astrais,
caga
agulhas,
mija
pregos,
cospe
cascalho,
é uma praga
sem identidade,
uma dos
Perdidos Embrutecidos
em todos os
Reinos Invisíveis
Expiatórios.

Maria Madalena
por Ela foi
crucificada.

Todas as Marias
foram por Ela
crucificadas.

Todas as Madalenas
foram por Ela
crucificadas.

Por Ela,
Ela,
A Inominável Carrasca,
uma
Desgraçada,
uma
Maldita,
uma
Miserável,
de milenares empenhos
em
inomináveis
bárbaras
monstruosidades. 

Inominável Ser
INOMINÁVEL
CARRASCO
COMO
INOMINÁVEL
POETA


terça-feira, 3 de setembro de 2013

Amores Noturnos Inomináveis - Os Amores Convocam - A Selvagem Magia Dos Noturnos Tempos




Uma das
Noturnas Mestras
Inomináveis,
Maga Sonhadora,
Realizada Magia
e Realidade Mágica,
chega até mim
sem truques,
sem embustes,
sem enigmas
e sem máscaras.

Ela tem na
mão esquerda
uma pena negra
e na mão direita
o sangue de uma
Jornada.

Ela tem
no olho esquerdo
a Imagem Rósea
e no olho direito
a Cegueira Silenciosa.

Seus cabelos 
nasceram do
Tecido Estelar
e seus pêlos pubianos
nasceram da
Maré Lunar.

Seus pés 
são mais ligeiros
do que os
Garanhões Celestiais
e suas mãos
são tão ardentes
quanto as do
Arcanjo Khamael.

Seu rosto
É O Passado,
É O Presente,
É O Futuro.

Seus seios
são os de
Afrodite,
são os de
Hecate,
são os de
Eva,
são os de
Lilith.

Sua nudez
é a
Sublime Bondade
e a
Firme Perversidade.

Ela chega
para me buscar,
em meio aos meus
noturnos momentos
de falecimento
total,
retirando-me da cova
e me abençoando
e abraçando
no Labirinto Eternal.

Junto com Ela
arranco risos
Daquele Que Nunca Fala


arranco lágrimas
Daquilo Que Nunca Chora

faço estremecer
Aquele Que Nunca Estremece

faço cair
Aquilo Que Nunca Cai

realizo os Encantos
Daquele Que É O Encanto

realizo os Planos
Daquilo Que É O Plano

imito os Passos
Daquele Que Eterno Caminha

imito os Pousos
Daquilo Que É O Eterno Pouso

aprendo as Canções
Daquele Que É A Canção

aprendo as Danças
Daquele Que É A Dança

engolfo-me na Luz
Daquilo Que É A Luz

engolfo-me na Escuridão
Daquele Que É A Escuridão

viajo pelo Paraíso
Daquilo Que É O Paraíso

viajo pelo Inferno
Daquele Que É O Inferno

...

Eu e Ela,
Cinzentos Selvagens Magos
desta atual
Segunda Idade
Das Trevas
globalizando 
a Desgraça Contemporânea,
Senhora Contemporânea
Soberana
Da Terra,
juntos
juntos
juntos
juntos
juntos
juntos
juntos
juntos
juntos
na Magia!

Magia,
Noturna Magia,
somos dois
Filhos Diretos,
Inomináveis Filhos,
da Magia!

Quando retorno
do meu
Noturno Aprendizado,
não tenho
saudades Dela,
pois Esta permanece
sempre ao meu lado
e na frieza semelhante
ao fogo
de minha cova!

A Inominável Magia 
permanece!

A Magia
permanece!

A Magia!

Magia!

Magia!

Magia!

Magia!

Magia!

Magia!

Magia!

Magia!

Magia!

Inominável Ser
INOMINÁVEL MAGO
ADEPTO DA
INOMINÁVEL CHAMA
SERPENTINA
SILENCIOSA