quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Em Vossa Eternidade Na Senda Da Eternidade



Por um minuto
Toda Vossa atenção
De amante que de mim

Nunca enjoa
E nem exige
Uma escolha

Ou reage friamente
Aos meus pedidos
De consolo presentes

Cresce como árvore
Que imperiosa sente
A necessidade de Ser

No ritual consolador
Onde diariamente
Enterro meus ossos

No Jardim Material
E desenterro minha alma
Do Jardim Imaterial

Atravessando a nado
Matematicamente sincronizado
O Grande Mar

Em busca de Deuses Acima
Em busca de Deuses Abaixo
Em busca da Senhora

Minha Senhora Morte
Minha Doce Morte
Minha Deusa Morte

Minha Dona Morte
Conselheira Sagrada
Desta Cova

Minha Querida Morte
Conselheira Altíssima
Deste Abismo

Minha Inspiradora Morte
Conselheira Única
Destes Poemas Sombrios

Que saem de minha
Sombria alma
Como explosivos

Diante de um minuto
Na Senda Da Eternidade
No qual acesso

Os Magnos Mistérios
O Grande Arcano
A Voz Silenciosa

E bebo de Vossa Taça
Que me transforma
Que em mim transborda

Tal qual rio de
Águas vivas pulsantes
Na Coroa Criadora

Que me permite 
Caminhar poeticamente
Em Caminhos

Tão altos
Tão significativos
Tão ensinantes

Como os Vossos Caminhos
Imperatriz Morte
Dentro de meu Ser

A todo minuto
A todo segundo
A toda hora

Além Da Eternidade

Inominável Ser
ETERNAMENTE
COM
ELA
Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: