sábado, 29 de agosto de 2015

Madrugada Que Ecoa Como Caótica Mortalha



Sinto cheiro de Caos
Tenho fome de Caos
Tenho sede de Caos
Quero me amarrar ao Caos

Traçando o Sigilo
Em minha nova pele
Cortando-me como arauto
De nova sobrevivência

Evocando minhas
Vozes Interiores
Invocando meus
Poderes Adormecidos

Olhando meu Abismo
Com serenidade
Acolhendo meu Outro Lado
Com sobriedade

Pois em cada Ser
Sitra Ahra é encontrável
Basta enforcar-se
De cabeça para baixo

Pois em cada Ser
Há um Abismo considerável
Basta apenas olhar
Para o espelho d'alma

Pois em cada Ser
Há O Possível Ser Deus
Um Deus Sem Nome
Um Inominável Deus

E é no Sagrado Silêncio
Da Deusa Madrugada
Que se pode acessar
A Interna Gruta Sagrada

Uma Gruta Iniciadora
Feita para aqueles que
Transformam Dor
Em Verdadeira Vida

Uma Verdadeira Vida
No meio do Deserto
Uma Grande Travessia
Cheia de Significados

Uma Eterna Caótica
Mortalha de recados
Dados pelo Arcanjo
Do Abismo Interior

Uma Mortalha presente
Também no Chamado
Da Voz do Arquidemônio
Da Sitra Ahra Interior

Madrugada
Mortalha
Uma rima sinistra
Uma Rima Iniciada

E O Grande Poema
Sempre Vai Sendo Escrito
Pelo Véu Eterno
Da Deusa Madrugada

Inominável Ser
RIMANDO
PELAS
MADRUGADAS

Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: