quinta-feira, 8 de outubro de 2015

No Labirinto De Psiche




A Deusa Escuridão
Em nós
Traça Seus planos
Que nos conduzem
Ao Sagrado Portal
De nosso Eu

Psiche bate asas
Em Seu Labirinto
Formado pelo Eu
Que ainda desconhecemos
Por pura ignorância
E desleixo

A Chama Viva
De nosso Ser pungente
Arremete insanamente
Contra as invasões
De nossos próprios
Aniquiladores

Trevas das mais densas
Não obstruem O Caminho
Naquele Labirinto
Porque são as Trevas
Amigas do nosso
Destino

Psiche desliza serenamente
Nos Braços Da Deusa
Escuridão
E se assemelha ao bastião
De múltiplas Vastidões
De nossa

Também

Desconhecida

Mente

Mente

Nossa Mente

Que mente

Mente

A Mente

Que mente

Mente

A nossa Mente
Que vampiriza lembranças
E devora canibalisticamente
As vorazes estranhas
Do Labirinto
De nossas almas

O Labirinto onde Psiche
Caminha seguindo A Estrada
Das Borboletas Que São
Cegas
Em meio a estranhas festas
Sem convidados conhecidos

O Labirinto De Psiche
Que permite uma Viagem
Em direção aos Desafios
Que se impõem entre
Os pútridos detritos
E áridos descaminhos nossos

O Labirinto De Psiche
Traduzindo nossa feroz
Entrada tresloucada
Nas envenenadas vertentes
Da Estrada Invisível
E do Túnel Das Eras

O Labirinto De Psiche
Abrindo As Portas
Do Ocultismo nosso
Que vela pelo Místico
Das Desconhecidas Profundidades
De nossos Abismos Interiores

O Labirinto De Psiche
Onde também encontramos
Édipo Orfeu Narciso
Hércules Teseu Perseu
Kassandra Medéia Ifigênia

E Apolo

E Hefesto

E Atena

E Zeus

E Pan

E Dionísio

E Hermes

E Ártemis

E Deméter

E Persephone

E Hecate

E muito longe
Ficamos de nós mesmos
No Olimpiano Obscuro
Caminho em nosso Eu
Habitado por tantos
Que são Eternos Ecos

Nós somos os
Efêmeros Ecos Maiores
Que na Labiríntica Escuridão
De nossas Vestes Mentais
Nos envolvemos inconscientes
Em outras Vestes Imortais

E a piada denominada 
Psicologia
Ousa ridícula destrinchar
Os meandros de Psiche
Perdida em seu próprio
Labirinto

O nosso Labirinto

A nossa Escuridão

O nosso Panteão
De desconhecidos 
Heróis e monstros
Damas e prostitutas
Deuses e Demônios
Eus e Outros Eus

Sem virgulas
Sem pontos finais
Labirinto que Eterno cresce
Acumulando tudo que somos
Tudo que seremos
Tudo que ainda somos

Escuridão ainda inexplorada
Ainda negativamente tocada
Ainda positivamente negada
Ainda não afirmada por todos
Que Psiche caminhando
Com os Outros ao lado Dela

Tenta Despertar

Tenta Despertar

Tenta Despertar

Tenta Despertar

Tenta Despertar

Tenta Despertar

Tenta Despertar

Tenta Despertar

Tenta Despertar

Sem nunca ser percebida

Sem nunca ser ouvida

Sem nunca ser atendida

Inominável Ser
QUASE
PERCEBENDO
OUVINDO
ATENDENDO
A PSICHE
Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: