quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Tranca-Rua das Almas, Meu Amigo Guardião!



Estava na noite tranquila,
Ouvindo ao longe leve batida
Que vinha do Invisível.

Ergui meu corpo da cama,
Apurei minha audição
E fechei meus olhos.

Fui então transportado
Para um grande trabalho
Na Calunga Pequena Primeira.

Tranca-Rua das Almas,
A Falange inteira deste,
Em um trabalho de resgate.

O resgate de desgraçadas almas,
O resgate de malditos corpos,
O resgate de miseráveis mentes.

E lá estava meu Guardião,
O Tranca-Rua das Almas
Que sempre ao meu lado está.

Lá estava Ele a trabalhar,
A exercer com Fé sua Magia,
A trabalhar por Olorum nas Densas Trevas.

Lá estava Ele,
Meu Amigo,
Verdadeiro Amigo.

Lá estava Ele,
Meu Guardião,
Verdadeiro Guardião.

Voltei a mim ao abrir os olhos,
Deitei e adormeci
Sendo novamente transportado...

E me vi então com meu Amigo
E Guardião,
Trabalhando nas Trevas lado a lado.

E me vi também com minha Guardiã,
Maria Padilha da Calunga,
Trabalhando nas Trevas lado a lado.

Trabalhando nas Trevas pelas Luzes,
Trabalhando nas Trevas pela Luz,
A Verdadeira Luz Universal.

LAROYE ESÚ!!!

LAROYE ESÚ!!!

LAROYE ESÚ!!!

LAROYE ESÚ!!!

LAROYE ESÚ!!!

LAROYE ESÚ!!!

LAROYE ESÚ!!!

LAROYE ESÚ!!!

LAROYE ESÚ!!!

Inominável Ser
TRANCANDO
DESTRANCANDO
NA GIRA DA FALANGE
DE TRANCA-RUA
DAS ALMAS
Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: