sábado, 30 de abril de 2016

Dance & Tattoo & Soul



Eu Danço...

Esta certa voluptuosidade
Traz a andante
Certeza ralante irradiante
Dos meus eternos ossos.

Eu Danço...

Desta certeza,
Tenho a clareza
De encerrar
Efêmeros votos.

Eu Danço...

Em meu corpo,
Os Símbolos,
Relíquias do Ontem,
Realidade do Hoje.

Eu Danço...

Cada tatuagem
É uma Voz,
Uma Palavra,
Uma Voltagem.

Eu Danço...

Cada pedaço
De minha alma
Nas artes de meu corpo
Jazem vorazes.

Eu Danço...

Sou Ishtar,
Sou Inanna,
Sou Durga, 
Sou Diana.

Eu Danço...

Sou Sekhmet, 
Sou Hecate, 
Sou Lilith,
Sou Babalon.

Eu Danço...

Saibam Meu Nome
Em cada tatuagem
Que dança em minha pele
Como bailarinas de mil e infinitas Idades.

Eu Danço...

Saibam vossos
Verdadeiros Nomes, 
Dancem comigo
Em vossas peles...

Eu Danço...

E tatuem n'alma
As minhas Verdades.

Nós Dançamos...

Inominável Ser
DANÇANDO
E SENDO
TATUADO
N'ALMA




sexta-feira, 29 de abril de 2016

Quero Assim Morrer



Na maravilhosa manhã
Do mais alto de minha
Mortal viagem
Neste vale de desgraças,
Quero assim morrer.

Distante dos gritos
Da turba doente humana
E próxima da Beleza Da Foice
De transcendente sabedoria,
Quero assim morrer.

Recheada de sons fúnebres n'alma
E ativamente afogada em
Mares Imortais Elevados
Da Deusa Morte,
Quero assim morrer.

Morte,
Deusa,
Deusa Morte,
Minha ansiada morte!

Deusa Morte,
Morte,
Morte,
Minha queridíssima morte!

Morte,
Morte,
Ó,
Mais Sagrada Das Deusas!

Me fira logo com A Foice...

ME FIRA AGORA!!!

Inominável Ser
COM O MESMO
DESEJO
DE MORRER




quinta-feira, 28 de abril de 2016

O Básico



Repense seus conceitos,
Estão todos enferrujados,
São armadilhas
Para lagartos,
São suplementos
Para moscas,
São nutrientes
Para minhocas,
Idéias que uso
Para limpar
Meu rabo.

Detone suas garantias,
Este Caos no qual
Estamos totalmente
Cagados
E mijados
Rasga qualquer planinho
Que façamos,
Basta uma bala
Na testa
Ou um acidente
Que nos ponha
Em uma cadeira de rodas
Para confirmar
Esta bosta.

Humilhe a seguridade, 
Ofenda a serenidade,
Chute a pacificação,
Estenda as mãos
Para espadas
E guerreie,
Pois o momento
Não é de ficarmos 
Vendo a porra
De nossas vidas
Passar
Ou de sermos controlados
Por dejetos
De terno e gravata,
O momento é
De guerrear!

Monte sua gangue
Com suas palavras, 
Desmonte carrocerias
De mediocridades
Com seus pensamentos,
Amontoe suas bombas N
Com seus atos!

Derrame seu sangue
A favor de um remédio
Que todos possam tomar,
Seja um exemplo
De irremediável
Combatente vasto
De toda merda
Que pelo mundo há!

Acabe com a sua fome
Por mudanças,
Acelere a saciedade
De sua garganta
Pelo vinho
Da Verdadeira
Liberdade!

Isso é o básico
Contra o caralho
Todo politizado
E religioso
Que te sufoca, 
Um caralho
De vários nomes
Que o gado acerebrado
Segue com mugidos
Do caralho!

É o basico,
Mas será mesmo
Que você aí
Sentadinho
E tranquilo
Tem a coragem
De ser
Evolucionário
Antes de tentar ser
Revolucionário?

Inominável Ser
EVOLUINDO




sábado, 23 de abril de 2016

Uma Fumaça


Não,
Não me olhe
Assim,
Não sou a puta
Ou um puto
Que todo dia
Você come,
Homenzinho de pau
Pequeno,
Médio
Ou grande,
Nem sou uma vadia
Ou um vadio
Ao teu alcance.

Também não danço
A tua dança,
Mulherzinha que acha
Que toda mulher
Deva ser uma puta
Ou uma escrava,
Eu sou puta
Para ficar fora
Da tua laia,
Te faço minha escrava
Se cair na minha laia,
Sendo eu
Uma mulher
Ou um homem.

Igualmente,
Gentinha escrota
Da humana sociedade, 
Eu cago acima de cada
Religião,
Eu mijo na cara de todos os
Políticos,
Eu vomito nas mesas de todos os
Acadêmicos,
Eu cuspo na cara
De cada um de vocês,
Merdas covardes do caralho
Sem coragem para
Sairem da vala
Do nascer, 
Crescer,
Foder, 
Procriar,
Envelhecer,
Morrer
E renascer
Nesta porra fodida
De planeta!

Quem eu sou
Para ofendê-los,
Cachorros
E cadelas?

Quem eu sou
Para xingá-los,
Jumentos
E jumentas?

Quem eu sou
Para desprezá-los,
Ratos
E ratas?

Eu sou uma fumaça,
Alguém que chega
E evapora,
Uma mulher 
Ou um homem
Tendo a consciência
De ser uma
Estrela vagabunda
De nenhum brilho
Que é melhor
Do que todas as desgraças
Que todas as suas buscas
Por brilhantes estrelas
Constroem neste
Buraco fedido fodido
Que vocês chamam
De mundo.

Sou uma fumaça,
Sempre serei
Uma fumaça...

Vocês são pó
Que apodrece
Com o passar
Dos insanos anos
De vossos ânus...

Quem está mesmo,
Dentre nós,
Vermes humanos,
Em uma melhor posição
Na Escala Cósmica?

Eu,
Uma fumaça...

Inominável Ser
UM PÓ
COM RIDÍCULAS
PRETENSÕES
DE UM DIA SER
UMA FUMAÇA




sexta-feira, 22 de abril de 2016

Milady Que Me Encanta Ao Soar Dos Sinos Abismais



Bate o sino da
Primeira Hora
Do Abismo Infernal,
Ela tem meu nome
dentro dos lábios
de fel.

Bate o sino da
Segunda Hora
Do Abismo Infernal,
Ela estabelece Seu
Reinado entre os Bestiais.

Bate o sino da
Terceira Hora
Do Abismo Infernal,
Ela sangra uma alma
que veio de Algol.

Bate o sino da
Quarta Hora
Do Abismo Infernal,
Ela ruge como
A Suprema Leoa Infernal.

Bate o sino da
Quinta Hora
Do Abismo Infernal,
Ela batiza Demônios
com Seu Sangue Imortal.

Bate o sino da
Sexta Hora
Do Abismo Infernal,
Ela chama Beelzebuth
para o Prazer Eternal.

Bate o sino da
Sétima Hora
Do Abismo Infernal,
Ela narra todos os Contos
da Perfeição Infernal.

Bate o sino da
Oitava Hora 
Do Abismo Infernal,
Ela julga Anjos Caídos que querem
retornar ao Engano Maior.

Bate o sino da
Nona Hora
Do Abismo Infernal,
Ela caminha como Sábia
entre Encruzilhadas Dimensionais....

Bate o sino de 
todas as minhas
Horas Abismais Infernais,
Ela traça pentagramas
em meu Interno Lar!

Bate o sino de 
todas as suas
Horas Abismais Infernais,
Ela convoca a você,
verme mortal!

Bate o sino de
todas as nossas
Horas Abismais Infernais,
Ela nos convoca para
A Eterna Hora Infernal!

Excipit infernus Maximus dies, et cocco bis tincto, et omnes habitatores eius sunt una cum ceteris uxoribus suis in æternum, pro Niger mane. Cantate mortalibus alienis linguis aures fidemque ad carmina creator abscondidit creationis Amreeka Niger Tenebrarum. Infernus et crura inter libros apertos matronae spectarent cæteris abyssum historia creationis. Utraque tamen historiae regnat in omnibus entibus est fabula mundi chaos. Quaelibet creatura obscura est historia creationis in tota anima sua. Et cocco bis tincto, et conteret omnia saecula ...

Inominável Ser
SIGNA
PROPRIUM
GURGES




quinta-feira, 21 de abril de 2016

Rainha Que Molda Meu Sangue Para A Eternidade



Longas estradas traçadas
estão entre todas
as Sombras Eternas,
Akasha Vivente No
Reino Do Sonho
Dentro Das Presas
Das Auroras.


Auroras Sangrentas
cumulativas de todas
as desgraças da
mortalidade,
Akasha Reinante
Nas Trevas Abismais
Da Eternidade.


A Eternidade
que é nossa
Mãe Sagrada
Imortalizante,
Akasha Sobrevivente
Nos Sonhos Reais
E Ficcionais.


Ficções sobreviventes
em Realidades Imortais
para os Grandes Sonhadores
Reais.
Akasha Detentora
Das Misteriosas Formas
Abismais.


Abismais Fontes 
De Poder
Aos Filhos
Do Sangue Real,
Akasha Senhora
Da Grande Cova 
E Do Grande Final.


Grande Final 
para todo o gado
que é mortal
epidemia,
Akasha Sábia
De Rubros Lábios
Magistrais.


Grande Cova 
para esta Humanidade
cheia de efêmeros
desgraçados mortais,
Akasha Que Reina
Na Imagem Ideal
No Panteão Do Real.


Inominável Ser
UM DOS
FILHOS
DO SANGUE






quinta-feira, 14 de abril de 2016

No Sonho De Koshka



É segredo mais do que
guardado entre
os túmulos
de minha alma
que tenho a perfeição
de um iogue
pendurado de 
cabeça para baixo
amando uma
musa distante
de ucraniana
terra.

Ela tem o olhar
que incinera
e capta a nossa
fragilidade,
morde nossa
vestimenta
de moralidade
e rasga o tecido
de nossa sanidade.

Ela brilha entre
ossos de cemitérios
erguidos pelos
Eternos
e diz as palavras
que os Antigos
escreviam nas
luas universais.

Ela galga montanhas
e montes
como uma Fúria,
gritando os nomes
de Shaitan
e Seth 
com sussurros
que estremecem
a Corte Celeste.

Ela roga ao
Obscuro Destino
uma chance de 
chegar ao
Ponto Final
e ao Ponto
Inicial,
os dois Pólos
da Gruta De 
Daath.

Ela é
A Abismal Musa
deste Inominável Ser
cheio de
Musas Celestiais
E Infernais,
é sua Musa,
mortal,
quando teus sonhos
levam-te ao
Porto Real.

Ela navega
em nossos sonhos,
correndo,
sorrindo,
gemendo,
gritando,
sussurrando,
os Verdadeiros Nomes
nossos...

Koshka...

Koshka...

Koshka…




Кішка, Селеста з безодні мрією Реалізовані, Перехідний Тримається в спектральних фігур, фантазія і Духа В тіней Безсмертних, Священного ідилія і сила універсальних мощей в сльозах! Рецензент найбільша мрія і ненависть у більше, ніж бетону, універсальний символ дівчину і співає Від те, що Північ, де північ, пустеля долар! Кішка, фуга та збору, ризиками і задоволення, Хвала і Жахи, Істина й обман, брехня і смерть!

будучи безіменним
ЛЮБИТИ
 кішка