sábado, 7 de maio de 2016

A Mãe Da Foice E Da Caveira





Eu Inundo Os Cemitérios
Com O Poder
Da Sagrada Foice
Que Pune Os Desgraçados.

Minha Visão Alcança
Os Corações Apodrecidos
Dos Malignos
E Desregrados.

Em Minha Face De Carne
Sombras Ressoam
Fazendo Infames Sombras
Cairem.

Em Minha Face Descarnada
Dedico-Me A Curar
Desvendando Sagrados Processos
Medicinais.

Arrasto Para Fora
Do Humano Convivio
O Ato Formador
Das Pálidas Ilusões.

Combato Os Bandidos
Entre As Trevas
E Os Abismos
Das Eternas Feras.

Sou Uma Dos Destruidores
Dos Malignos Poderes
Dos Infernos,
Confrontadora De Demônios.

Minha Foice
Aponta Para O Alto,
De Onde Vem A Minha
Força Piedosa.

A Caveira Dança
Em Redor De Meus Passos,
Nos Cemitérios Sou Vista
Como Matriarca Dos Caveiras.

Sou Filha Do Bem,
Sou De Coração Agitado
Pelo Poder Da Caridade,
Uma Guerreira Do Divino Cruzeiro.

Nas Covas Faço
A Minha Obra
E Corrijo As Fissuras
De Todas As Ocultas Obras.

Omulu É Meu Mestre,
Orientador Na Falange
Que O Kosmos Denomina
Como Portadores Da Caveira.

Meu Nome É
Pombojira Maria Caveira
Da Foice Encantada,
Prazer Em Conhecê-Lo.

Me Chame Entre Covas
E Eu Atenderei Ao Teu Chamado
Sacudindo Em Teu Redor
Todas As Covas.

Inominável Ser
SAUDANDO
DONA
MARIA CAVEIRA
DA FOICE
ENCANTADA




Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: