sexta-feira, 20 de maio de 2016

A Uma Grande Chama


Goddess of Darkness - Lucas Valencio 


Entre os arbustos
E os grandes vôos
Dos Corvos Cósmicos,
Eu Sinto a Senhora
Velando por mim
E pelo pó que um dia
Serei.
Eu Sinto,
Como senti naquela
Primeira vez
Em uma fria
E densa madrugada
Como esta
Na qual te Invoquei
E Evoquei
Através dos meus versos,
O Poder
E O Peso
Dos Vossos Eternos Olhos
A perscrutarem toda
Esta minha alma
Angustiada,
Agitada,
Desesperada
E em chamas inspiradoras
De minha escrita.
E Sinto também
Tua Grande Chama,
Um Eterno Fogo
Que primeiramente ardeu
Antes de todas as Coisas
Serem Formadas
Através da Multilplicidade
Pela Unidade.
Eu Sinto
Teu Fogo,
Do qual me alimento
Nesta Cova.
Eu Sinto
Teu Fogo,
No qual me banho
Nesta Cova 
Eu Sinto
Teu Fogo,
Onde nasce todo poema
Desta Cova.
Eu Sinto
A Tua Presença
Como O Fogo Desta Cova,
Amantíssima
Deusa Escuridão!
Esta é uma
Das Tuas Moradas
E eu sou um
Dos Eternos Habitantes
Do Fogo Sem Origem
Que É A Senhora,
A Morada De Todas
As Covas!

SALVE A DEUSA ESCURIDÃO!!!

SALVE A DEUSA ESCURIDÃO!!!

SALVE A DEUSA ESCURIDÃO!!!

SALVE A DEUSA ESCURIDÃO!!!

SALVE A DEUSA ESCURIDÃO!!!

SALVE A DEUSA ESCURIDÃO!!!

SALVE A DEUSA ESCURIDÃO!!!

SALVE A DEUSA ESCURIDÃO!!!

SALVE A DEUSA ESCURIDÃO!!!

Inominável Ser
DENTRO
DO INSPIRADOR
FOGO
DA DEUSA
ESCURIDÃO 






Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: