segunda-feira, 30 de maio de 2016

Como A Fumaça De Um Cigarro De John Constantine


Whiskey, cigarettes and demons - Felideus 


Na companhia da fumaça
Do meu cigarro cheio de
Cânceres metodicamente descarados,
Jogo meu torto tarot chupado
Por uma puta de podres dentes
E dou um cuspe na cara
Da sinfonia do acomodado
Que vê o mundo como um
Mar de rosas.
Não,
Acomodado do caralho,
O mundo não é um parquinho
De diversõezinhas baratas,
Vivemos todos numa bosta
Onde existem mais estupradores,
Assassinos,
Pedófilos
E ladrões
Do que pessoas justas
E santas.
Há luta em uma guerra
No Invisível,
Pelos Terrestres Abismos,
Ouça,
Se puder,
Os gritos de guerra
Dos dois lados da contenda...
Ouça o surdo gemido
Dos acorrentados
E dos torturados...
Ouça a rude música
Das espadas e lanças
Contra escudos e machados...
Ouça também o podre ruído
Da deterioração das ruas,
Um som vadio,
Um som cafona,
Um som escroto,
Um som vagabundo...
É o som do Dragão Homem,
Meu querido odioso
Acomodado de bunda gorda,
Nós somos O Adversário
De nós mesmos
E Aqueles Lá Embaixo
Não tem muita dificuldade
Em nos influenciar
Rumo em direção 
À Fossa...

Porém,
Tal qual a fumaça de um cigarro
De John Constantine,
Vou exorcizando meus Demônios,
Dançando sobre carvão em brasa,
Sorrindo sobre cadáveres
E olhando belos rabos de piriguetes
Que não me canso de foder
Enquanto você aí apenas
Acorda,
Come,
Caga,
Mija,
Cospe,
Procria,
Envelhece
E
Morre.

Inominável Ser
DANDO UMA TRAGADA
EM UM DOS CIGARROS
DE JOHN CONSTANTINE





Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: