terça-feira, 24 de maio de 2016

Resposta À Areia Do Deserto Que Governa O Terrestre Pó



Ozymandias - Alex Zak 


Erga tua fronte,
Ó,
Mortal,
Vejas à tua frente
Toda a coroa que se pulveriza
Em tua empoeirada cabeleira.
"Quem revela a visão
De tal coroa?",
Pergunta alguém
Em minha mente.
"Quem faz aquelas
Apagáveis pegadas
Na areia?",
Pergunta alguém
Em minha alma.
"Quem escreve versos
Que morrem empoeirados
Na areia?",
Pergunta alguém
Que conheci há
Trinta e um mil e quinze
Anos atrás...
Vejo as respostas
No pó dos reinos antigos,
Dos homens distintos,
Das mulheres soberbas,
Das famílias altivas,
Das famílias miseráveis,
Dos reinos de agora
E dos reinos e homens e mulheres
E famílias do Amanhã
No meio do Deserto que reina
No Fim...
E Ozymandias toca em meu
Ombro esquerdo,
Aponta para cima
E me diz:

"De onde você está agora,
Inominável Poeta,
Já é a hora de erguer teus olhos
Para o firmamento
A fim de visualizar
A chuva de pó
Que encobre a tua Era
E que cai vertiginosa por sobre
A tua orgulhosa civilização
Que reina em um deserto
Existencial."

E eu olho para cima
E vejo este mundo inteiro
Reduzido a ruínas
E pó
Acima de tantas outras areias
Cujas Histórias
Até mesmo O Tempo
Esqueceu de contar.

Inominável Ser
UM INOMINÁVEL
EMPOEIRADO
POETA




Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: