sábado, 4 de junho de 2016

Satã Moderno - Alberto da Costa e Silva


Alberto da Costa e Silva


Para mim todo amor tem sido inferno, 
Onde em delírio e em ânsias me condeno 
A estar tranqüilo, humílimo, sereno, 
Embora prêso ao desespero eterno. 

Sorva da Mágoa o trágico falerno, 
Beba do Tédio o horrífico veneno, 
Bendirei, sempre, as Trevas em que peno 
Com a calma estranha de um Satã moderno. 

Ah! quanto gôzo eu tiro so suplício: 
Monge na disciplina do cilício, 
Viajeiro das Sombras, dos Abrolhos! 

Ah! quanta glória encontro nesta vida 
Em que, a teus pés, me trazes de vencida 
Sob a espada de fogo dos teus olhos!






Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: