terça-feira, 1 de novembro de 2016

Então, Eu Vou, Kurt...


Kurt Cobain, 1967-1994 - JP Valderrama



“Come doused in mud, soaked in bleach
As I want you to be
As a trend, as friend
As an old memoria”




Então,
eu vou,
Kurt,
remendando meus tênis
com solas furadas,
reunindo minhas carteiras
bastante vazias
e arrumando a minha
velha mochila
com livros que ninguém
mais lê.
Pois somos dois outsiders,
dois deslocados neste
campo de esterco todo
que nos ronda.
Apanhamos muito da vida,
fomos muito estuprados
pela morte,
acompanhando o vilarejo
das cinzas em nosso
funeral.
Também tive,
Kurt,
como você,
minhas Courtneys Loves
me levando para o buraco
com balas mais mortais
que a da sua espingarda.
Igual a você,
também me suicido
e me suicidei
e suicidarei,
em carne viva…
Desculpe,
Kurt,
isto não é uma
tola moralista crítica
ao teu ato de saída
desta bosta de
Planeta Terra.
Esta porra toda aqui
de mundo
está com câncer uterino
e sua juventude
há muito ecoa
no Limbo,
no Vazio.
E eu rastejo
nessa lama toda,
na bosta,
como já falei…


Então,
eu vou,
Kurt,
te digo mais
uma vez,
estou arrumado,
cabelo despenteado,
de chinelo
e caminhando solitário.
Preciso antes
passear por campos
onde corvos comem
Deuses crucificados
e pseudodeuses
salvadores baratos.
Não é engraçado ver
uma certa rosa murchar
no ridículo palco
de um desses campos,
Kurt?
Eu já sei,
seu estado agora
é menos doloroso,
se abriram portas
onde você agora pode
sentar disposto
entre colchões de cetim
e lagoas brilhantes
cheias de notas musicais
em seus sonhos…
Uma espécie de Nirvana,
mas sem Buda
enchendo o saco
meditando.
Um estado sagrado,
sem nenhum engano.


Então,
eu vou,
Kurt,
e já chego aí
para te assistir
mais uma vez
cantar.
Suas novas músicas
hão de me agradar,
acordes mais livres,
notas mais esvoaçantes,
um afinadíssimo violão
a navegar em harmonias
intensamente maiores…
É o meu tipo
de música,
sabe?
Você não mudou muito,
Kurt,
sua iconoclastia reverbera
também aí
nessas etéreas paragens.
Não é um
Céu,
não é um
Inferno,
não é um
Purgatório…
É o seu Nirvana,
Kurt,
eu sei,
o atual palco
de sua voz
e de sua alma…


Então,
eu vou,
Kurt,
já estou quase
chegando aí.
Reserve meu lugar
ao fundo,
não gosto de sentar
colado ao palco.
E de preferência,
entre Marilyn
e Bettie,
claro…
E meu gatinho
Gian
ronronando
em meu colo.


Então,
eu vou,
Kurt…
Mais um espaço
bem lotado,
mais um show seu
memorável.


Inominável Ser
INDO A
UM SHOW
DE UM
AMIGO





Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: