domingo, 27 de novembro de 2016

Um Ponto De Exu Marabô



À meia-noite,
Ao cair da madrugada,
Galo canta, é a alvorada
Pia itatuité.

Nem sei de onde começou a caminhada:
Encruza, calunga, estrada…?
Venha de onde vier

Ele é o mago, o senhor das oferendas,
O homem das velhas lendas
Que fazem o sague gelar;

Ele é o bruxo que faz cura, faz feitiço,
Em macumba de catiço.
Ena Ena Mojubá!

Exu Marabô.
Exu Marabô ôh ôh
Exu Marabô
Elê Marabô
Eê Elebara
Elê Alarô
Exu Marabô






Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: