quinta-feira, 11 de maio de 2017

Tributo A Todos Os Solitários Da Terra



Inomináveis Saudações a todos vós, Meus Terrestres Irmãos Filhos Da Deusa Solidão!

Mesmo que multidões estejam girando os punhos no ar e gritando em alta festa, nós estaremos sempre no recanto da sala de uma morada onde o silêncio é a preciosidade mais amada. Mesmo que multidões pratiquem a decadente arte da fuga da realidade com existenciais entorpecentes vitalizadores das baixas naturezas, nós estaremos sempre dialogando com as paredes para as quais dançamos ouvindo O Nada. Mesmo que multidões apreciem os espetáculos da mediocridade que liquida cada vez mais esta civilização, nós estaremos sempre diante do espelho de nossas almas encontrando a Verdadeira Identidade que grande parte da Humanidade ignora. Mesmo que multidões carnavalizadas em si mesmas busquem apenas o arremeter a favor das mundanas bestialidades, nós estaremos sempre escavando em nossos cemitérios ossos que domem cada fera que quer destroçar tudo em redor.

Nós, Os Solitários Da Terra, não negamos a alegria; o que negamos é a desenfreada estupidez em não aceitar as lágrimas como maiores mestras do que frequentes risos e sorrisos.

Nós, Os Solitários Da Terra, não negamos os prazeres carnais; o que negamos é a transformação da Carne em mera mercadoria, quando na verdade ela deveria ser amante do Espírito em uma Sagrada Comunhão Eterna.

Nós, Os Solitários Da Terra, não negamos a Cultura; o que negamos é lixo e esgoto serem elevados à categoria artística, quando na verdade a Arte, esta remanescente das Idades De Ouro Terrestres, deveria ser compreendida como uma Ode Plena À Natureza Em Suas Luzes E Trevas.

Nós, Os Solitários Da Terra, não negamos os Seres Humanos, nossos irmãos; o que negamos é a maioria da nossa espécie estar entregue à Desgraça Contemporânea que nos aflige com inclemência, uma Desgraça que deveria ser combatida com A Graça Da Verdadeira Natureza Humana.

Nós, Os Solitários Da Terra, não negamos a Civilização Contemporânea; o que negamos é a Decadência Existencial a fazer de nossa Civilização um circo de diários homicídios e suicídios, uma Civilização que deveria estar unida em nome do Ideal Maior Da Verdadeira Evolução Humana.

Nós, Os Solitários Da Terra, não negamos a História; o que negamos é interpretar o atual contexto histórico dentro de premissas para extremismos e mentiras atrofiantes da Humanidade, esta que estaria bem melhor se assumisse que os fatos históricos passados são realmente evocatórios dos fatos históricos presentes e futuros.

Nós, Os Solitários Da Terra, não negamos as Religiões; o que negamos é a transformação de cada Religião como a pronta e única Verdade a ser seguida por um humano indivíduo, Verdade que deve ser encontrada por cada Ser Humano no Augusto Silêncio Da Alma.

Nós, Os Solitários Da Terra, não negamos os Deuses; o que negamos é que eles estejam hoje em seu todo sendo vistos como passatempos de pseudoiniciados, quando deveriam ser incorporados ao Verdadeiro Eu no objetivo de toda humana existência em aprimorar-se essencialmente na Compreensão de todas as coisas.

Nós, Os Solitários Da Terra, não negamos os Demônios; o que negamos é muitos humanos culparem tais Seres por todos os males humanos, Seres que deveriam ser integrados ao Consciente porque são parcelas do nosso Inconsciente.

Nós, Os Solitários Da Terra, não negamos O Múltiplo; o que negamos é O Múltiplo ser confundido com o Uno, Este que se apresenta a nós como O Mais Inacessível De Todos Os Abismos neste Ciclo de nossa Jornada Eterna.

Nós, Os Solitários Da Terra, não negamos O Um; o que negamos é O Um ser confundido com um mísero Grande Ser que determina ou aprova ou desaprova as nossas ações, um Grande Ser Inexistente porque o que concebemos acerca da Unidade é mera metafísica ficção.

Nós, Os Solitários Da Terra, não negamos O Inanifestado; o que negamos é ridículos e sujos seres humanos se arvorarem no estúpido direito de Manifestarem Aquilo Que Não Se Manifestará Jamais em tolas palavras, estas que deveriam ser apenas recheadas de especulações desprovidas de afirmações.

Nós, Os Solitários Da Terra, individualmente, temos vários conceitos.

Nós, Os Solitários Da Terra, individualmente, temos vários preconceitos.

Nós, Os Solitários Da Terra, individualmente, podemos ser diferentes uns dos outros.

Nós, Os Solitários Da Terra, individualmente, podemos ter diferentes enredos e empenhos.

Nós, Os Solitários Da Terra, coletivamente, somos unidos por uma chama.

Nós, Os Solitários Da Terra, coletivamente, somos iluminados por uma chama.

Nós, Os Solitários Da Terra, coletivamente, somos acalentados por uma chama.

Nós, Os Solitários Da Terra, coletivamente, somos parte de uma chama.

A chama de uma vela que vocês, que arrogantemente desprezam A Sabedoria Da Deusa Solidão, apagaram acima da última sincera mesa de Verdadeiras Refeições.

Olhem para trás e saberão qual vela é esta que nós, Os Solitários Da Terra, mantemos acesa e que vocês apagaram em suas Estradas.

Saudações Inomináveis a todos vós, Meus Terrestres Irmãos Filhos Da Deusa Solidão!

Inominável Ser
PARA TODOS
OS SOLITÁRIOS
DA TERRA




Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: